Açoriano Oriental
Governo iraquiano demite militar que devia repor ordem em cidade do sul

O primeiro-ministro iraquiano demitiu um comandante militar que tinha sido encarregado, horas antes, de restaurar a ordem numa cidade do sul do país, onde foram mortos mais de 20 manifestantes, informou a televisão estatal.

article.title

Foto: EPA/HAIDER AL-ASSADEE
Autor: Lusa/AO online


O governador de Nassiriya, a 300 km ao sul de Bagdad, tinha pedido ao primeiro-ministro, Adel Abdel Mahdi, que reconsiderasse a decisão de nomear um militar para “restaurar a ordem” na cidade, ameaçando renunciar se o general Jamil al-Chemmari não fosse demitido.

A situação no sul do Iraque tornou-se muito violenta durante a noite de quarta-feira, quando os manifestantes bloquearam estradas e entraram em conflito com as forças policiais e militares, que reforçaram a sua presença nas províncias mais ricas em petróleo.

Os confrontos nessa cidade resultaram na morte de 23 manifestantes e em 165 feridos, segundo fontes médicas e de segurança locais, que referiram que nas últimas 24 horas morreram 27 pessoas no Iraque devido aos protestos

Este número indica que o dia de hoje foi um dos mais mortais desde 1 de outubro, quando começaram os protestos no Iraque para pedir a “queda do regime”, numa altura em que se assinala o primeiro ano do novo executivo iraquiano, que implementou uma série de reformas económicas alvo de contestação.

Também na quarta-feira, os manifestantes destruíram o consulado iraniano na cidade de Najaf e pelo menos 33 pessoas ficaram feridas quando a polícia disparou munições reais para impedir as pessoas de entrarem no edifício, tendo sido declarado um recolher obrigatório depois do incidente.

Ainda hoje está prevista a participação de milhares de iraquianos numa enorme procissão fúnebre no centro de Nassiriya, apesar de a cidade estar sujeita a recolher obrigatório.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.