Governo diz que há sectores com grandes possibilidades na criação de emprego


 

Lusa / AO online   Economia   8 de Out de 2007, 15:59

O secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional, Fernando Medina, disse hoje que há sectores de actividade com grandes possibilidades de criação de emprego e apontou como exemplo a aquacultura e os serviços pessoais.
    “Temos nas nossas estruturas económicas, tanto a nível nacional como europeu, sectores com dinâmicas mais fortes de emprego, mas mais importante que olhar para sectores é olhar para segmentos”, afirmou Fernando Medina, à margem do Conferência Emprego na Europa - Perspectivas e Prioridades, que começou hoje em Lisboa.

    “Há de facto sectores com dinâmicas muito positivas de crescimento de emprego e oportunidades que o país pode explorar em matéria de criação de emprego”, frisou Fernando Medina, apontando como exemplo a aquacultura e a área dos serviços pessoais, comoc assistência aos idosos e às crianças.

    No que se refere à aquacultura, o governante salientou que se vai desenvolver um conjunto de competências e de profissões que vão ter uma procura significativa no mercado, nomeadamente em áreas e competências mais transversais ligadas à química, bioquímica e biotecnologias.

    A identificação dos sectores que possam criar emprego e as competências a eles associadas é precisamente uma das ideias chave do programa “Novas oportunidades para novos empregos”, anunciado hoje pelo primeiro-ministro, José Sócrates, na sessão de abertura da Conferência, que decorre até terça-feira, na Fil.

    O desenvolvimento de um sistema de orientação profissional e um sistema de reconhecimento e validação de competências são as outras ideias do programa, uma iniciativa que recolhe muita da experiência dos vários países europeus em matéria de qualificação de activos.

    Em Portugal, o “Novas qualificações para novos empregos” inspira-se no “Novas Oportunidades”, que já tem actualmente mais de 250.000 inscritos.

    “Este novo programa não é tanto a criação de algo, mas mais a ligação de componentes que estavam desagregados”, adiantou Fernando Medina, acrescentando que tem havido alguma dispersão de recursos e iniciativas dentro do espaço europeu, pelo que este programa vai tentar organizar melhor a ligação entre a oferta e a procura.

    Este programa deverá ser aprovado na Primavera de 2008, durante a presidência eslovena da União Europeia.

    O secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional salientou que os Estados-membros da União Europeia estão a trabalhar na forma de assegurar que as qualificações obtidas em determinado país sejam comparáveis nos restantes.

    Neste sentido, vai ser criado o Quadro Europeu de Qualificações, um primeiro referencial que diz para cada nível de qualificação quais são as competências que devem ter e depois cada país encaixa os seus sistemas.

    “Vai tornar o sistema mais fácil para todos e aumentar as possibilidades de emprego e mobilidade das pessoas”, frisou Fernando Medina.

    O Quadro Europeu de Qualificações deverá ser aprovado ainda durante a presidência portuguesa da União Europeia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.