Filho de general chinês condenado a dez anos de prisão por violação

Filho de general chinês condenado a dez anos de prisão por violação

 

Lusa/AO online   Internacional   26 de Set de 2013, 16:12

Um tribunal condenou a dez anos de prisão o filho de um general chinês por violação, anunciaram as autoridades judiciais, num julgamento que trouxe para a ribalta o estilo de vida extravagante da elite chinesa.

Li Tianyi, de 17 anos, e quatro adolescentes foram considerados culpados de violarem uma mulher num hotel de Pequim, em fevereiro, disse o tribunal numa conta de uma rede social chinesa, cuja credibilidade foi verificada pela agência noticiosa francesa AFP.

O caso gerou polémica em todo o país. A perceção de grande maioria da população sobre os filhos dos membros da elite chinesa é a de que vivem luxuosamente e acima da lei.

O pai de Li, Li Shuangjiang, ocupa um cargo equivalente ao de general, como decano do departamento de música da Academia Militar de Artes, é famoso por cantar canções patrióticas. A mãe, Meng Ge, também é uma cantora conhecida.

Em 2011, Li Tianyi e um outro adolescente conduziam automóveis de luxo quando atacaram um casal que alegadamente lhes bloqueou a passagem, na presença do filho das vítimas.

O tribunal não esclareceu se Li se deu como culpado, durante o julgamento, no mês passado. Nas audiências, o diário Beijing News noticiou que o réu "não admitiu a agressão, nem uma relação, afirmando estar bêbado e não saber nada" do que tinha acontecido.

Os restantes réus, também menores de idade, foram condenados a sentenças de entre três e 12 anos de prisão.

Antes do julgamento, Lan He, conselheiro judicial de Li, disse aos 'media' estatais que a família ia recorrer da sentença, caso o adolescente fosse considerado culpado.

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu erradicar a corrupção no governo, dada a perceção pública de que os responsáveis usufrem de imensa riqueza e privilégios.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.