Ex-primeira ministra Timochenko pede resignação imediata do presidente ucraniano

Ex-primeira ministra Timochenko pede resignação imediata do presidente ucraniano

 

Lusa / AO online   Internacional   8 de Dez de 2013, 11:28

A ex-primeira-ministra e opositora ucraniana Iulia Timochenko exigiu hoje a resignação imediata do presidente Viktor Yanukovych, numa declaração lida pela sua filha perante milhares de manifestantes que durante a tarde se mantinham concentrados numa praça de Kiev.

 

"O nosso objetivo é a partida imediata do presidente ucraniano", leu Ievgenia Timochenko, perante a multidão que respondeu com gritos de "demissão! demissão!"

A ex-primeira-ministra prosseguiu: "Não baixem os braços, não recuem, não participem em negociações com este poder que tem sangue nas mãos".

"Temos hoje uma escolha entre cair numa ditadura corrupta e o regresso a casa, na Europa. As hipóteses de cair numa ditadura medieval são bastante maiores", alertou Iulia Timochenko, que está presa desde 2011.

"Ianukovitch nunca assinará o acordo com a Europa, decidiu aderir ao clube dos ditadores", insistiu, Timochenko, na declaração lida.

A ex-primeira-ministra e candidata contra Ianukovitch às presidenciais de 2010, Iulia Timochenko, cumpre desde 2011 uma pena prisão de sete anos por abuso de poder.

O seu caso é considerado pela oposição como uma vingança política.

Entre 200 mil e 500 mil manifestantes pró-europeus mantinham-se durante a tarde, manhã em Lisboa, concentrados em Kiev para reclamar a demissão do presidente Ianukovitch depois de este ter rejeitado um acordo comercial com a União Europeia, optando por uma maior aproximação à Rússia.

Empunhando bandeiras da Ucrânia e da União Europeia, os opositores ao atual Governo enchem a Praça da Independência.

Alguns manifestantes usam capacetes de proteção, antecipando uma eventual repressão violenta do protesto por parte das autoridades.

A Praça da Independência, onde o movimento opositor mantém centenas de tendas de campismo, está completamente cheia, enquanto os manifestantes continuam a chegar.

A manifestação é vigiada por cerca de 5 mil agentes da polícia, que alertou os manifestantes para a "alta probabilidade" de existirem confrontos durante o dia de hoje.

A oposição, que reclama eleições antecipadas, espera mobilizar um milhão de manifestantes.

Nos últimos dias, milhares de manifestantes têm desafiado as ordens das autoridades, cercando edifícios governamentais em protesto contra a suspensão das negociações para a assinatura de um pacto comercial e político com a União Europeia.

No sábado, a oposição ucraniana acusou o presidente Viktor Ianukovitch de planear a assinatura em breve de um acordo de adesão da Ucrânia à União Aduaneira das Antigas Repúblicas Soviéticas, liderado por Moscovo, e ignorar os protestos de milhares de manifestantes.

"De acordo com as nossas informações, o projeto de acordo sobre a parceria estratégica [com a Rússia] está pronto, mas Ianukovych não se atreveu a assiná-lo", disse à France Presse um dos líderes do partido da oposição, Arseniy Yatsenyuk, durante uma conferência de imprensa em Kiev.

Para 17 de dezembro está prevista uma reunião da comissão interestadual russo-ucraniana em Moscovo, acrescentou o líder da oposição.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.