EUA/Debate

Democratas e republicanos reclamam vitória


 

Lusa / AO Online   Internacional   27 de Set de 2008, 08:52

Os campos republicano e democrata reivindicaram, sem surpresa, a vitória do seu candidato no primeiro debate televisivo entre os dois concorrentes às presidenciais norte-americanas, John McCain e Barack Obama.
    “É uma clara vitória de Barack Obama em terreno de John McCain", considerou David Plouffe, director de campanha do senador do Illinois.

    “O senador McCain não tem nada a oferecer senão a mesma política errada de (George W.) Bush”, afirmou Plouffe.

    “John McCain ganhou o debate e controlou o diálogo quer fosse sobre economia, impostos, despesa, Iraque ou Irão”, afirmou, praticamente na mesma altura, a directora de comunicação do senador do Arizona, Jill Hazelbaker.

    John McCain, a perder fulgor nas recentes sondagens, necessitava de uma prestação superior para voltar a ganhar terreno ao seu rival.

    Segundo os analistas, o candidato republicano defendeu-se bem mas não conseguiu destabilizar o seu adversário.

    De acordo com os mesmos analistas, McCain não foi ajudado pela sua linguagem corporal.

    Em vez de olhar directamente para os telespectadores, como fez Obama, ou para o seu adversário, McCain olhava para o mediador do debate, o jornalista Jim Lehrer.

    O candidato republicano repetiu várias vezes a expressão de que o seu adversário não compreende as questões de política externa, mas Barack Obama não vacilou, mostrando-se seguro sobre o Afeganistão, o Paquistão e o Irão.

    Relativamente aos debates das primárias, Obama mostrou-se mais conciso e incisivo, consideraram os media norte-americanos nas suas primeiras análises.

    Uma primeira sondagem realizada pela cadeia de televisão norte-americana CBS junto de eleitores indecisos indicou que 40 por cento defenderam a vitória de Obama e 22 por cento apontaram McCain como vencedor.

    Para 38 por cento das pessoas questionadas, o debate terminou com um empate.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.