Açoriano Oriental
OE2024
Confederação do Comércio acompanha distribuição alimentar no apoio a IVA zero em 2024

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) expressou o apoio à posição da ADIPA – Associação de Distribuidores de Produtos Alimentares, que na quinta-feira defendeu a manutenção do IVA zero na primeira metade de 2024.

Confederação do Comércio acompanha distribuição alimentar no apoio a IVA zero em 2024

Autor: Lusa/AO Online

“A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal apoia e acompanha a posição da sua associada ADIPA, a Associação dos Distribuidores de Produtos Alimentares, que considera essencial a manutenção da medida IVA zero, durante o primeiro semestre de 2024”, refere um comunicado divulgado pela CCP.

No documento, sublinhando que a ADIPA integra empresas de distribuição grossista alimentar e de pequenas e médias empresas retalhistas independentes, a CCP considerou que é “essencial a manutenção da medida”, citando o presidente da associação, Luís Brás.

“Tal como referido, em comunicado, pelo secretário-geral da ADIPA, Luís Brás: ‘As razões que justificaram a adoção por parte do Governo da medida, aplicada a um cabaz de produtos alimentares essenciais, continuam a verificar-se na atual conjuntura, dada a elevada instabilidade internacional nomeadamente com a situação que se vive na Ucrânia, agravada pelo recente conflito no Médio Oriente’”, aponta a confederação.

Segundo a ADIPA, “no curto prazo, não se prevê uma inversão deste quadro global”, sendo expectável “a manutenção de uma forte pressão nos mercados internacionais” que terá “impacto direto nos preços a montante da cadeia de abastecimento alimentar”.

Assim, tendo em conta os efeitos do IVA zero e a discussão do Orçamento do Estado para 2024 (OE2024), que está em andamento, a ADIPA “considera essencial a manutenção da medida IVA zero durante o primeiro semestre de 2024”.

A isenção de IVA do cabaz de 46 géneros alimentares não vai ser renovada em 2024, estando prevista uma compensação de valor equivalente no reforço das prestações sociais das famílias mais vulneráveis.

A alteração do modelo foi anunciada pelo ministro das Finanças, Fernando Medina, na apresentação da proposta de OE2024, no dia 10 de outubro.

"A nossa opção é tornar permanente a compensação equivalente ao IVA zero no conjunto das prestações sociais que abrangem os mais vulneráveis da sociedade", disse o ministro, detalhando que, desta forma, em vez de existir um mecanismo geral de que todos beneficiam, este será direcionado para as famílias mais vulneráveis.

O IVA zero começou a ser aplicado em abril e devia ter terminado em outubro, mas foi, entretanto, prorrogado até ao final do ano, tendo contribuído para a redução do preço do cabaz de alimentos.

Questionado sobre se não receia que o fim da medida possa causar pressão inflacionista nos preços, Fernando Medina afirmou acreditar que "haverá interesse de todos os agentes envolvidos" numa transição "adequada deste regime para o novo regime", dizendo, de resto, estar a contar com isso.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados