Centro da Universidade pede ao Governo dos Açores para valorizar recursos regionais

Centro da Universidade pede ao Governo dos Açores para valorizar recursos regionais

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Nov de 2013, 13:37

O diretor do Centro de Empreendedorismo da Universidade dos Açores lamenta a contratação de empresas externas à região por entidades tuteladas pelo executivo regional, sublinhando que não ajuda a economia e a academia açorianas.

As críticas estão numa "carta aberta" dirigida ao presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, com data de sexta-feira, distribuída a diversas entidades da região e a que a Lusa teve hoje acesso.

A motivação da carta assinada pelo diretor do Centro de Empreendedorismo da Universidade dos Açores, Gualter Couto, é a alegada contratação pela Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores (SDEA) de uma "empresa externa à região para assessoria na criação de um BIC (Business Innovation Centre) nos Açores".

Gualter Couto lamenta esta opção, que afastou empresas regionais "com 'know how´' técnico e científico suficiente" para o projeto, mas que também excluiu a própria Universidade dos Açores "conforme já aconteceu, inexplicavelmente, em outras ocasiões pela mesma entidade".

O responsável diz que a Universidade dos Açores, e especificamente o departamento de Economia e Gestão e o Centro de Empreendedorismo, tem docentes doutorados "em várias universidades de prestígio nacional e internacional" e desenvolve parcerias e estudos com outras entidades da região, do país e do mundo. Conhece, por outro lado, a realidade regional melhor do que qualquer empresa ou entidade de fora dos Açores, acrescenta.

Em simultâneo, diz ainda o texto, são "do conhecimento público" os efeitos da crise e de "decisões políticas" na Universidade dos Açores, que colocam em causa "a continuidade de alguns serviços".

"O Governo dos Açores conhece toda esta situação e comprometeu-se a apoiar a instituição. (...) Muito do apoio que o Governo dos Açores pode prestar à Universidade dos Açores é dar-lhe a oportunidade de trabalhar em projetos concretos e ter as mesmas oportunidades que outras entidades, cujas ligações aos Açores são inexistentes ou duvidosas", lê-se no texto, que diz que o Centro de Empreendedorismo nem sequer teve conhecimento de "terem sido consultadas empresas/instituições regionais para apresentação de propostas" no caso em concreto.

O mesmo se aplica às empresas regionais, defende Gualter Couto, dizendo que dadas as "grandes dificuldades do tecido empresarial" açoriano, "esperar-se-ia, no mínimo, que como forma de estímulo à economia, o Governo dos Açores, e por conseguinte todas as entidades/instituições que dele dependem diretamente ou se apresentam como seu representante, promovessem a aquisição de bens e serviços localmente".

O responsável apela, por isso a Vasco Cordeiro que "reveja estas situações e que, de futuro, se valorizem os recursos regionais".

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.