Trabalho

Centenas de manifestantes em Paris contra "dívida ilegítima"

Centenas de manifestantes em Paris contra "dívida ilegítima"

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Out de 2012, 15:15

Centenas de manifestantes saíram hoje da sede do banco de investimentos Goldman Sachs, em Paris, em direção à Assembleia Nacional francesa numa marcha ensurdecedora contra a

Na manifestação ‘Global Noise’, que se iniciou pelas 14:30 locais (13:30 horas de Lisboa), participam cerca de 300 pessoas, entre grupos de jovens e de reformados, que fazem um barulho ensurdecedor com apitos, batendo tachos, tampas e garrafas de plástico vazias. Ouvem-se gritos de jovens e de reformados que tanto culpam as agências de notação pela crise, como pedem solidariedade para com o povo da cidade japonesa de Fukushima, onde se viveu um acidente nuclear no ano passado. Entre os manifestantes está o sociólogo espanhol, Juan Cortinas, de 38 anos, que depois de oito anos a trabalhar em França está no desemprego e hoje é um dos indignados que protesta nas ruas. “Saímos para nos manifestarmos contra a dívida ilegitima que justifica a austeridade, que está a pôr fim aos direitos sociais nos países europeus” diss o espanhol à Lusa. Entre os manifestantes há protestos em português: André Fernandes, 23 anos, licenciado em cinema, emigrou há dois anos para tentar encontrar trabalhado. O português faz limpezas e vive de pequenos trabalhos e fez questão apoiar a manifestação porque acredita que o povo precisa de se fazer ouvir. “É uma luta principalmente europeia. Estamos a sentir na pele as medidas de austeridade que estão a ser impostas. Esta política está a falhar, os governos insistem e nós somos as principais vítimas”, argumenta. A chuva, o muito frio e um forte contingente policial são elementos desta manifestação, que levou ao encerramento das lojas no seu percurso e cortes de trânsito. A manifestação deve durar cerca de duas horas até chegar à assembleia nacional. A iniciativa Global Noise que é organizada pelas redes internacionais Occupy, Indignados, #YoSoy132, e outros movimentos de justiça social e plataformas ativistas de 37 países.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.