Benazir Bhutto exige demissão de presidente Musharraf


 

Lusa/AO   Internacional   13 de Nov de 2007, 08:10

A dirigente da oposição paquistanesa, Benazir Bhutto, exigiu hoje, em Lahore, a demissão do presidente Pervez Musharraf em entrevista telefónica à televisão britânica Sky, numa altura em que a manifestação proibida pelas autoridades já começou.
Bhutto, que está sob prisão domiciliária desde segunda-feira, pela segunda vez em quatro dias, pediu hoje à comunidade internacional, perante as câmaras da Sky, a partir da cidade de Lahore, que deixe de apoiar Pervez Musharraf, cuja demissão exigiu.

    "O general Musharraf tem de se demitir. Tem de se demitir das suas funções de presidente e de chefe das Forças Armadas", exigiu ao telefone, no décimo dia do estado de emergência, a partir da sua residência, cercada de polícias que a impedem de sair para participar na manifestação convocada pela formação de Bhutto, Partido do Povo Paquistanês (PPP) e proibida pelas autoridades.

    "Peço à comunidade internacional que deixe de apoiar o homem cuja ditadura ameaça mergulhar no caos esta potência nuclear", afirmou.

    A formação de Bhutto (PPP) tem agendada para hoje uma "longa marcha", a partir de Lahore, leste do país, para protestar contra a manutenção do estado de emergência apesar das legislativas previstas para antes de 09 de Janeiro, mas a manifestação foi proibida segunda-feira à noite.

    O Governo do Paquistão proibiu a marcha por esta "violar a lei", alegou o ministro-adjunto para a Informação, Tariq Azeem, referindo-se às disposições do estado de emergência que proíbem qualquer concentração pública.

    Mas apesar de estar proibida, e mesmo sem Bhutto, apoiantes do PPP iniciaram a marcha, em Lahore, para protestar contra o estado de emergência e exigir a demissão de Pervez Musharraf.

    Militantes do (PPP) reuniram-se numa estrada e dezenas de automóveis iniciaram uma procissão em direcção à cidade de Kasur, para leste, perto da fronteira indiana, afirmou o presidente do PPP para a província do Pundjab, Shah Mahmoud Qureshi.

    "Há um cortejo de mais de 100 automóveis", garantiu.

    A polícia confirmou que "várias dezenas de automóveis e um número indeterminado de pessoas que se deslocam a pé foram um cortejo" nessa estrada.

    A ex-chefe do governo anunciou segunda-feira o rompimento das negociações com o presidente Pervez Musharraf para uma futura partilha do poder.

    Hoje, Bhutto afirmou que não poderia governar com Musharraf.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.