Da farmácia para a máquina de costura

Artesã terceirense cria malas inspiradas nos leques espanhóis

Artesã terceirense cria malas inspiradas nos leques espanhóis

 

AO Online   Cultura e Social   1 de Set de 2018, 21:30

Tânia Fagundes tem 37 anos, é técnica de farmácia mas o jeito para a costura e a máquina que herdou da falecida mãe atiraram-na para um mar de encomendas diárias. A marca Abanica nasceu inspirada nos leques (abanicos) espanhóis pelos quais a açoriana se apaixonou numa viagem a Sevilha.


Tânia Fagundes nasceu na freguesia da Agualva, na Praia da Vitória, há 37 anos. Licenciou-se em farmácia pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa e exerce funções na Farmácia do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira desde 2004. A infância num meio rural, aliada aos ensinamentos da mãe, permitiram que aprendesse a arte de costurar desde criança: “lembro-me da minha mãe me ensinar a fazer renda, bainhas, malha e tentou- sem sucesso- ensinar-me a bordar. A máquina de costura sempre esteve lá em casa e eu curiosa como sou, rapidamente aprendi a trabalhar com ela. Também cheguei a fazer uns trabalhos muito interessantes em ponto de cruz e técnica do guardanapo alguns anos mais tarde”, avançou Tânia Fagundes.

Depois de abdicar de um “part-time” que exerceu durante 10 anos, numa viagem a Sevilha com uma amiga em 2017 Tânia percebeu, numa montra de uma retrosaria espanhola, que o seu dinheiro extra podia vir do artesanato: “Havia naquela montra algo peculiar devido ao material que tinham utilizado, que fazia lembrar uma carteira de senhora em forma de meia-lua a expor uns emblemas. Achei piada, até tirei uma foto.” Agora, que tinha mais tempo livre, Tânia descobriu uma forma de fazê-lo render: “Tive de imediato uma visão empreendedora do produto! Como se não bastassem essas razões todas ainda houve outra que foi crucial. Era o facto de eu possuir conhecimentos e máquina de costura, tudo heranças da minha mãe.”

E assim nasceu a Abanica, em novembro de 2017.

A primeira Abanica faz parte da coleção particular da artesã: “A primeira foi para mim! Foi toda uma descoberta num registo que eu considero mais tradicional; menos original se calhar, mais colado à versão que tinha visto em Espanha. É preta com uns emblemas em tons de vermelho e prateado, tem um sapato de salto alto, uns corações e umas letras “OMG” e levou várias horas a fazer.”

Depois veio o momento de apresentar a primeira Abanica e Tânia preferiu jogar pelo seguro. Se queria uma opinião sincera tinha que começar pelas amigas. “Todas as minhas amigas a quem mostrei acharam super gira. Adoraram a peça, mas sobretudo o conceito e a possibilidade de “criarem” elas próprias um design exclusivo!”

Depois da aprovação começavam as encomendas e os parceiros. Até hoje a artesã terceirense já produziu 480 Abanicas. Ainda não conseguiu aumentar a sua coleção particular porque não tem tido mãos a medir com respostas a encomendas. As Abanicas também já saíram dos limites geográficos da ilha e já estão disponíveis no posto de Turismo da Madalena, na ilha do Pico e a lista de parceiros- essa- vai crescendo a cada mês: “Clube de Golfe da Ilha Terceira, Posto de Turismo da Madalena, Boutique Requinte, Loja Vidal, A Minha Casa e mais recentemente na Azorbus.”

Tânia admite que o foco é o formato de leque identitário das malas mas que, consoante as encomendas, já se aventurou noutros acessórios: “Tenho tentado inovar ao máximo, não só na criação de outros formatos (que representam uma pequena percentagem dos pedidos que tenho) e de outros produtos como brincos para combinar com Abanicas específicas, mas sobretudo na criação da minha marca, do meu estilo e da minha identidade! Passa muito pela utilização de tecidos, criar combinações harmoniosas de cores e texturas. O meu objetivo é criar uma peça que seja a extensão da pessoa que o adquire e que a complete a 100%, que se identifiquem e que se apaixonem pela sua Abanica!”, avança a recente artesã.

As peças muito requisitadas neste verão (especialmente para jantares de gala e casamentos) são feitas dos mais diversos materiais. “Peças de decoração/têxtil de cozinha, tapeçaria, acessórios de cortinados, rendas, conchas, flores, tecidos, emblemas (os famosos patches que estão muito na moda), também faço reciclagem de alguns materiais.” Tânia garante que a imaginação não tem limites para satisfazer as mulheres sofisticadas que queiram uma peça personalizada. Exemplo disso foi a encomenda de Diana que é bombeira voluntária e queria uma Abanica com essa sua missão representada. Tânia assumiu ter precisado de algumas semanas de inspiração, mas garante que a alegria da cliente ao entregar a peça compensou o esforço: “foi indescritível. Não há dinheiro que pague o êxtase, a surpresa e a emoção misturado num só rosto. Senti que tinha acertado em cheio, é uma sensação ótima!”

Prestes a completar um ano desde aquele 15 de setembro em Sevilha e 10 meses depois do início da atividade de artesã, a terceirense está na fase de registo da marca e diz que até esse processo está a ser mais simples do que esperava. A maior dificuldade de ser artesã é mesmo a compra dos materiais que muitas vezes são inexistentes na ilha e têm que ser comprados online.

Cada Abanica tem o custo de 25 euros e o seu tempo de produção é bastante variável: “Se for um modelo que eu já tenha feito antes consigo acelerar bastante o processo, levando aí entre uma a duas horas. Se for um modelo completamente novo em que tenho que experimentar tudo ou algo muito específico/especial posso até levar meses”.

Apesar da inspiração espanhola, o modelo de Abanica mais requisitado é bem açoriano “tem estampado as fachadas, impérios e igrejas dos Açores. Trata-se de um tecido colorido, apelativo, contemporâneo e que para além de ser uma peça muito bonita ainda tem um significado afetivo.”

Em 10 meses a vida de Tânia mudou completamente mas apesar do sucesso da marca a técnica de farmácia garante que não tem ilusões e sente que dedicar-se ao artesanato a tempo inteiro será sempre uma ideia utópica.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.