Açoriano Oriental
Árbitro confirma embalagem com inscrição "cal viva em pó" no Santa Clara-Paços

O árbitro que dirigiu o Santa Clara-Paços de Ferreira, da I Liga de futebol, confirmou que o produto utilizado para a marcação das linhas do relvado estava numa embalagem com a inscrição “cal viva em pó”.

article.title

Foto: Eduardo Resendes
Autor: Lusa/AO Online

Segundo o relatório a que a Lusa teve acesso, a equipa de arbitragem, liderada por João Bento, foi alertada pelos delegados da Liga de clubes de que "o produto que estava a ser colocado [para efetuar a marcação das linhas] estava dentro de uma embalagem plástica contendo a informação cal viva em pó, substância proibida para marcação do terreno de jogo".

Esta utilização de “um novo produto”, explicou o árbitro no relatório, aconteceu depois de várias remarcações sem sucesso que fizeram alterar o horário do jogo e de um novo acordo entre todos os elementos no sentido de "marcar novamente o terreno de jogo", uma vez que "a intenção de todos seria a realização da partida, a qual ficou remarcada para as 21h30, hora local".

"De referir ainda que a maior parte das linhas estavam irregulares, visto que as suas dimensões não tinham as medidas exigidas pela lei", pode ainda ler-se no documento a que a agência Lusa teve acesso.

"Perante estes novos factos", ficou decidido na reunião entre todas as partes que não haveria jogo à hora reagendada e que o mesmo se iria realizar no dia seguinte, às 16:30, hora locais, como aconteceu, e que terminaria com a vitória do Santa Clara por 2-1.

O Paços de Ferreira disputou o jogo sob protesto, uma intenção confirmada na segunda-feira pelo presidente à chegada da comitiva dos Açores, não concordando com a versão avançada pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, para quem "as condições climatéricas foram a verdadeira causa para que as linhas não estivessem suficientemente visíveis".

"Se os responsáveis tiverem a coragem política de assumir as suas responsabilidades e percebermos que o regulamento não é para ficar na gaveta e sim para ser aplicado, não tenho dúvidas nenhumas que, lendo textualmente o que diz, esta situação implica, para além das multas, uma penalização clara. E isso tem que ver com uma derrota da equipa responsável pela organização do jogo", referiu Paulo Meneses.

O presidente do Paços de Ferreira frisou que o material alternativo a utilizar nas marcações era “ilegal e perigoso”.

“Apesar da boa vontade, chegámos a conclusão de que o material a aplicar [nas marcações] nem sequer era alternativo, e, além de não regulamentar e ilegal, é perigoso para a integridade física dos jogadores. Pior ainda foi a tentativa de camuflar a situação com recurso a uma mentira, dizendo que era uma cal morta, que terão conseguido colocar num saco inviolado que dizia cal viva. Tudo isto é muito claro", acusou.

No sábado, Rui Cordeiro, presidente do Santa Clara, desmentiu a “aplicação de cal viva” no relvado, referindo que o produto utilizado era “pó de pedra”.

O Paços vai também formalizar uma participação disciplinar por "coisas que se passaram no final do jogo na sequência de declarações prestadas pelo Pedrinho" na zona de entrevistas rápidas.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.