Alunos em cursos profissionais duplicam

Alunos em cursos profissionais duplicam

 

Lusa / AO online   Nacional   30 de Out de 2007, 14:55

O número de alunos do ensino secundário inscritos em cursos profissionais quase duplicou nos últimos dois anos, uma evolução que o Governo considera decisiva para a diminuição do insucesso e abandono escolares registada no mesmo período.
De acordo com dados do Ministério da Educação, hoje divulgados, a diminuição da taxa de "chumbos" neste nível de ensino, que se verifica desde 2001, acentuou-se significativamente nos dois últimos anos lectivos, baixando de 32 para 25 por cento.

No 12º ano, por exemplo, a retenção abrangia cerca de metade dos alunos em 2004/05, uma percentagem que caiu para os 38 por cento no ano passado.

Já o número de estudantes a frequentar o ensino secundário, que decresceu progressivamente ao longo da última década, aumentou sete por cento desde 2005/06, passando de 262.858 para 282.188 este ano lectivo.

No ano passado, cerca de 105 mil jovens entraram no secundário, um número que este ano chegou aos 118 mil.

A melhoria dos resultados e o aumento da população escolar é coincidente com o crescimento dos cursos profissionais, que abrangem actualmente quase 63 mil alunos, mais 30 mil do que há dois anos.

No total, os estudantes matriculados em vias profissionalizantes representam 35,4 por cento da população escolar deste nível de ensino, subindo para os 39,6 se tivermos apenas em conta o número de jovens do 10º ano.

"Nestes últimos dois anos há mais alunos no secundário e mais sucesso escolar, o que se deve ao aumento dos cursos profissionais e ao discurso do Governo sobre a importância da educação e da qualificação", afirmou o primeiro-ministro, José Sócrates, numa iniciativa destinada a apresentar os resultados escolares do ensino secundário.

O Executivo socialista impôs como meta que, no final da legislatura, metade dos jovens deste nível de ensino optem por vias profissionalizantes, como acontece na maioria dos países da OCDE.

Para concretizar este objectivo, o número de alunos a frequentar estes cursos terá de aumentar a um ritmo de quatro por cento por ano, o que implica um crescimento anual de 17 mil estudantes.

"Dantes o ensino secundário não oferecia aos jovens vias de estudo que correspondessem às suas expectativas. É preciso estimular as escolas a adoptar cada vez mais este modelo de formação", salientou a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues.

Para reforçar os cursos profissionais, cuja taxa de empregabilidade ronda os 70 por cento, o Ministério da Educação assinou hoje protocolos de colaboração com cerca de dez empresas ligadas à informática e à sociedade do conhecimento, no sentido de ser criada uma bolsa de estágios para os finalistas.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.