Açoriano Oriental
Covid-19
A pandemia no Pico

A pandemia de Covid-19, que também já atingiu o Pico, está a afetar o quotidiano e a economia na segunda maior ilha açoriana. Empresários estão preocupados e há questões de saúde que têm de esperar


Autor: Célia Machado/AO Online

No Pico aguarda-se por tempos melhores. A infeção pelo vírus SARS-CoV-2 veio alterar o dia a dia picaroto: menos movimento nas ruas, atendimento limitado, espaços comerciais com horários reduzidos e outros fechados, prestação de serviços ao postigo e até a celebração da eucaristia transmitida nas redes sociais, essas mesmas redes onde a comunidade tem demonstrado preocupação de cada vez que o Governo Regional anuncia mais casos da doença na ilha.

Para já, houve três momentos distintos de maior impacto no Pico: quando o Governo Regional decretou o estado de alerta no arquipélago - o que teve como efeito instantâneo a corrida às superfícies comerciais e o desaparecimento, das prateleiras, de álcool sanitário e da farinha sem fermento com marca açoriana -; o segundo, a 23 de março, aquando da confirmação do primeiro caso da Covid-19 na ilha; e, a 29 de março, com a notícia de uma família de cinco pessoas infetadas e da primeira cadeia de transmissão local na ilha - até então eram todos casos importados, trazidos de fora da Região.

Aqui, a PSP elaborou um processo-crime a um casal por desobediência durante o período de quarentena e as autoridades policiais já fizeram algumas visitas ao domicílio.
Apesar dos números divulgados respeitantes a esta ilha e dos alertas constantes, há ainda quem desvalorize a situação atual e mantenha alguns rituais sociais. É o que se pode ver, por exemplo, na atividade piscatória, em terra e no mar, na agricultura e em algumas conversas de rua, entre vizinhos ou amigos, sem que sejam acauteladas as devidas distâncias entre indivíduos. As medidas implementadas em diversos espaços de atendimento ao público, em especial a limitação do número de clientes em simultâneo, também não foi bem entendida por toda a gente, já que há quem ache que se trata de excesso de zelo.

Quando a doença tem de esperar
Com a pandemia, no Pico há questões de saúde que têm de esperar. Falámos com um utente, com historial de doença oncológica, que aguarda por uma consulta de Hemato-Oncologia no Hospital da Horta. A ansiedade é grande e tanto o utente como a família desesperam, já que as análises mais recentes - das quais teve conhecimento no início de março - revelaram valores tumorais “acima do normal e do que se vinha verificando em anteriores análises, desde que a doença entrou em fase remissiva”. O mesmo utente, que prefere que o seu nome se mantenha no anonimato, diz que o médico de família pediu uma consulta com caráter prioritário para o Hospital da Horta, mas, daquela unidade de saúde, teve como resposta “que o utente não deve dirigir-se àquele hospital, nem fazer mais exames”, tendo marcado a consulta para o final de abril. Até lá, o coração aperta.

Empresários preocupados
Se a saúde é uma questão de relevo, a economia tem, também, a sua quota de importância. Nesta ilha houve uma fase de alguma confusão com vários empresários a fechar os estabelecimentos comerciais para depois reabrirem as portas e implementarem as medidas entretanto decretadas, mas não excluem tomar medidas adicionais e mais drásticas conforme o evoluir da situação.

Apesar dos mecanismos de apoio criados, quer pelo Governo da República, quer pelo Governo Regional, Rui Lima, presidente da Associação Comercial e Industrial do Pico, mostra a sua preocupação com a economia da ilha, em especial com as microempresas - menos de dez funcionários -, que ocupam a maior fatia do tecido empresarial picaroto.
“Pondo em causa a maioria dessas empresas, põe-se em causa todo o trabalho desenvolvido até agora na ilha e a estabilidade económica que estávamos, de certa forma, a viver, tendo em conta a trajetória que se fez em várias áreas”, sustenta o representante dos empresários, que coloca algumas interrogações quanto aos apoios já anunciados pelos governos: “Tenho algumas dúvidas de que os apoios respondam, de forma eficiente, às necessidades das microempresas. As características das microempresas têm de ter uma atenção especial nos apoios criados pelo governo, que devem ser direcionados para elas e não de uma forma abstrata e que seja difícil de aceder a esses mesmos apoios”.

“Não queremos uma solução de ‘bombardeamento’ de dinheiro, mas também não queremos um sistema que seja difícil de aceder”, enfatiza, revelando que têm chegado relatos de empresários “desesperados e com sérias dificuldades”.

O turismo tem, também nesta ilha, um peso significativo na economia. Ivone Quadros, empresária há 22 anos, com alojamento turístico em espaço rural na Piedade, diz que é a “pior situação” que vive neste ramo desde que iniciou a atividade. Em fevereiro os turistas começaram a cancelar as reservas e Ivone Quadros decidiu, face à evolução da pandemia, aceitar reservas para estadias apenas para setembro.

“A época alta dos turistas fazerem reserva é agora, a partir do mês de março; maio e junho vão ser complicados. Este é um ano para esquecer”, sublinha.
Já Rui Maciel, sócio-gerente de duas empresas de alojamento local em São Roque e na Prainha, desde 2015, diz que houve menos reservas nos meses de janeiro e fevereiro e, a partir daí, “as que existiam foram canceladas. Estamos a aceitar reservas para estadias a partir de julho. Temos um funcionário nesta fase, mas, durante o verão, são sempre dois. Este ano já não vamos admitir o segundo e estamos a tentar, ao máximo, manter o que temos”, salienta. “Sem dúvida nenhuma o impacto negativo que tivemos até agora foi este, devido à pandemia”, frisa o empresário.

César Melo, gerente de um minimercado na Piedade desde fevereiro de 2018, implementou rapidamente todas as medidas decretadas pelas autoridades, mas tem algum receio pela exposição a que as cinco funcionárias estão sujeitas diariamente no atendimento. Por outro lado, preocupa-o o facto de poder ter rutura de stock de certos bens. “Alguns dos nossos fornecedores, no continente, já estão com dificuldade para se abastecerem”, realça, defendendo que em alguns produtos “deveria ter sido implementado o racionamento quando foi decretado o estado de alerta nos Açores”.

No Cais do Pico, Luís Sousa, gerente de uma loja de ferragens e bricolage, há 38 anos em funcionamento, realça a “preocupação dentro da incerteza gerada pela pandemia”. “Há muito menos vendas. Já houve um primeiro ajuste no horário com a redução do número de clientes na loja e rotação dos cinco trabalhadores. Há também uma grande incerteza devido à dificuldade na entrega de mercadoria”. Comparando com tempos anteriores, a gerência afirma que “este é o momento que tem mais impacto na afluência do público. Houve outros momentos, nomeadamente a crise de 2008, emque havia menos poder de compra e ainda não é possível perceber se este impacto na economia vai ter a proporção que teve a crise financeira de há 12 anos”, conclui.

Já Ricardo Ferreira, com três lojas de ramos diversos (vestuário, bazar e papelaria) está apenas com um espaço aberto nas Lajes, tendo fechado outro naquela vila e um terceiro em São Roque. Para além dele, mantém agora apenas uma funcionária.

Com duas dezenas de anos de experiência no ramo empresarial, Ricardo Ferreira está ciente dos constrangimentos e dificuldades que o impacto gerado pela pandemia vai trazer a toda a gente e tem receio de que os mecanismos de apoio divulgados, pelos governos Regional e da República, não sejam concretizados tal como têm sido anunciados.

“Estamos também aqui a tentar servir alguém que precise” e, por isso, “aconselhamos os mais idosos a ficar por casa”. Se necessitarem de algo urgente da loja, providenciam esse serviço.

Na Criação Velha, as rotinas diárias de Ana Casals e Míria Rodrigues mudaram “radicalmente”. As mostras de artes e os concertos de música ao vivo ficam agora parados e, no espaço que gerem há quatro anos, aposta-se mais na confeção de comida tanto para levar como para ser entregue ao domicílio. “Optámos por continuar em funcionamento porque temos de fazer face às despesas mensais. Algumas das medidas governamentais de apoio são bem-vindas e, assim, não temos de recorrer a ajudas financeiras nem de contrair empréstimos”, explica Ana Casals. Para além de todas as alterações que procederam dentro do seu estabelecimento, ainda informam “os clientes habituais de que não podem fazer aglomerados na rua”.

A situação de pandemia é “séria”, mas têm esperança de que “passe mais rapidamente do que o esperado”.



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.