Assembleia Legislativa dos Açores

Voto de protesto sobre declarações de Mariano Gago chumbado


 

Lusa / AO online   Regional   30 de Out de 2007, 14:59

A Assembleia Legislativa dos Açores chumbou esta terça-feira um voto de protesto apresentado pela bancada do PSD, que contestava as declarações alegadamente “intimidatórias” do ministro do Ensino Superior sobre a Universidade do arquipélago.
Com esta iniciativa, os social-democratas pretendiam contestar a “deselegância” e a “inaceitável postura” do ministro Mariano Gago, quando falou na necessidade de um saneamento financeiro da universidade açoriana.

“Repudiamos a musculada atitude do ministro que, antes de manifestar solidariedade e vontade de colaborar na consolidação e na mudança de gestão da Universidade dos Açores, se mostrou, sobretudo, ameaçador”, lamentou António Marinho, deputado do PSD.

O voto foi chumbado pela maioria socialista, que considerou revelar um tom demasiado “choradeiro” e “irresponsável” para ser aprovado pelo Parlamento dos Açores.

Francisco Coelho, líder da bancada do PS, disse, no entanto, que é preciso que todos se unam para encontrar uma solução para os problemas financeiros da Universidade dos Açores (UAç).

Também Artur Lima, deputado do CDS/PP, disse não se opor ao saneamento financeiro da Universidade dos Açores e considerou, também, que o tom do voto de protesto do PSD “não é adequado a esta casa”.

Recentemente, o ministro do Ensino Superior alertou que a Universidade dos Açores (UAç) tem de se "reestruturar rapidamente" para produzir mais e gastar menos recursos canalizados, anualmente, para a única instituição de ensino superior da região.

"Existe, manifestamente, uma clara desproporção entre a actividade da Universidade dos Açores, em matéria de ensino, investigação e produção de serviços, e os recursos que os contribuintes de todo o País entregam anualmente à instituição", afirmou aos jornalistas Mariano Gago, em Ponta Delgada.

Recentemente, o Ministério do Ensino Superior adiantou que a Universidade dos Açores tem de estabelecer um plano de saneamento económico e financeiro para que, num prazo de três anos, atinja o equilíbrio entre as receitas e as despesas.

O ministro disse que os governos da República e Regional estão dispostos a ajudar nessa missão, alertando, porém, que cabe à UAç estabelecer uma plano de reestruturação de modo a adequar-se ao processo de modernização do ensino superior em curso no país.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.