Severiano Teixeira visita hoje militares portugueses no Kosovo


 

Lusa/AO   Nacional   18 de Dez de 2008, 07:44

O ministro da Defesa, Severiano Teixeira, inicia hoje uma visita de um dia aos 295 militares portugueses que integram a missão KFOR da NATO no Kosovo, dois meses após Portugal ter reconhecido esta antiga província sérvia como país.

Trata-se da primeira visita de um governante português ao Kosovo depois de Lisboa ter reconhecido em Outubro o novo país, na sequência da proclamação unilateral da independência da ex-província sérvia, em Fevereiro.

    Nesta visita ao destacamento português instalado em Pristina, a capital do Kosovo, o responsável pela pasta da Defesa irá também encontrar-se com o comandante da missão KFOR (Kosovo Force), o general italiano Giuseppe Emílio Gay.

    As Forças Armadas Portuguesas estiveram representadas na missão da NATO no Kosovo entre 1999 - final da guerra e início da missão de paz - e 2001, tendo retomado a sua participação em 2005.

    Actualmente a Força Nacional Destacada (FND) tem 295 militares em Pristina, capital do Kosovo, com 6 em funções no quartel-general da KFOR e 289 da Brigada de Intervenção.

    No início de Outubro, Portugal reconheceu formalmente a independência da antiga província sérvia, oito meses depois da declaração unilateral de independência por parte das autoridades albano-kosovares.

    Na semana passada começou também a missão policial e de justiça da União Europeia (UE), a EULEX, a maior missão civil europeia naquele país, que irá decorrer em paralelo com a missão militar da Aliança Atlântica.

    A EULEX, onde estão integrados 13 elementos da PSP, visa as "áreas de investigação criminal, segurança e ordem pública, no sentido de contribuir para a estabilização do território, para o combate ao crime organizado e para a formação da polícia local", segundo o Gabinete de Imprensa de Relações Públicas da Direcção Nacional da Polícia.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.