Retomadas buscas para encontrar corpo do pescador desaparecido em Cascais

Retomadas buscas para encontrar corpo do pescador desaparecido em Cascais

 

Lusa/AO online   Nacional   8 de Jan de 2018, 09:40

Mais de 100 pessoas estão envolvidas nas buscas para encontrar o pescador que caiu no sábado de uma falésia, em Cascais, e que foram retomadas ao início da manhã, disse à Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima.

Em declarações à Lusa, o comandante Pedro Coelho Dias disse que uma equipa de mergulhadores forenses da Polícia Marítima irá mergulhar ao final da manhã de hoje na zona onde o pescador desapareceu para procurar o corpo.

Envolvidos nas operações de busca estão um navio da Marinha, com 86 pessoas a bordo, uma estação salva-vidas, um helicóptero e, por terra, elementos da Polícia Marítima, da PSP, do serviço de Proteção Civil de cascais e dos bombeiros.

O pescador, de 56 anos, residente em Cascais, morreu após ter caído de uma falésia junto ao Farol da Guia, tendo o alarme sido dado cerca das 17:00 de sábado pelo sobrinho do pescador, com cerca de 20 anos, que o acompanhava.

As autoridades têm vindo a alertar os pescadores para evitarem comportamentos de risco junto às falésias, sobretudo quando o mar está agitado.

Por causa da agitação marítima, 10 distritos de Portugal continental vão estar a partir da manhã de quarta-feira sob aviso amarelo.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), estarão até às 06:59 de quinta-feira sob aviso amarelo os distritos de Viana do Castelo, Porto, Braga, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro.

De acordo com o IPMA, estão previstas ondas de noroeste com quatro e cinco metros.

A agitação marítima obrigou hoje a encerrar as barras de Caminha, Viana do Castelo, Esposende, Douro, Nazaré e Lisboa a toda a navegação.

Estão ainda condicionadas as barras de Vila do Conde, Póvoa do Varzim, Aveiro e Figueira da Foz.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.