Recrutamento para o exército é exemplar nos Açores

Recrutamento para o exército é exemplar nos Açores

 

Lusa/AO On line   Regional   22 de Out de 2010, 07:02

Os Açores são um caso de sucesso no recrutamento de homens e mulheres que cumprem o serviço militar no Exército, afirmou o major-general Isidro Pereira, comandante da Zona Militar dos Açores.
“Os Açores são um caso de sucesso no contexto do Exército português, porque é das zonas onde ultrapassamos os objectivos fixados de recrutamento que nos permitem levar todas as missões a bom porto”, frisou o responsável militar.

Isidro Pereira, que falava em Ponta Delgada, na cerimónia comemorativa do Dia do Exército, revelou ainda a incorporação, a curto prazo, de mais oito dezenas de jovens, o que, na sua perspectiva, demonstra a “atractividade do Exército em Portugal e, particularmente, na Região Autónoma dos Açores”.

Em declarações aos jornalistas, Isidro Pereira confessou desconhecer ainda as reduções nos recursos humanos que podem vir a ser impostas ao Exército na sequência dos cortes orçamentais para 2011, mas assegurou que um dos seus objectivos será manter o recrutamento local de militares em regime de voluntariado e de contrato.

No âmbito das comemorações do Dia do Exército foi ainda ratificado um novo protocolo de cooperação na área do ambiente entre a Zona Militar dos Açores e a Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, que prevê a limpeza das margens das Lagoas das Furnas e das Sete Cidades, em S. Miguel.

“Tem-se conseguido um trabalho muito positivo, os militares têm trabalhado de forma a erradicar determinadas espécies que não deveriam existir nas margens daquelas lagoas, mas que surgem sobretudo devido ao uso de fertilizantes”, afirmou Isidro Pereira.

O comandante da Zona Militar dos Açores, que tomou posse há cerca de um mês, destacou ainda a importância de ter no arquipélago “forças capazes de serem empregues em operações reais no âmbito da NATO, no caso do Afeganistão ou do Kosovo, ou em outras missões de interesse público, como em situações de catástrofe ou de calamidade”.

“Estamos no bom caminho para sermos cada vez mais eficazes no auxílio às populações e isso ficou provado num exercício que fizemos recentemente com a Protecção Civil”, afirmou.

Para o responsável militar, existe nos Açores “um paradigma do excelente relacionamento que é possível ter entre o Exército e a sociedade”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.