PSD questiona ministra da Saúde sobre demora de novas convenções com ADSE


 

Lusa/Ao online   Nacional   9 de Fev de 2019, 01:26

 Os deputados do PSD eleitos por Vila Real questionaram esta sexta feira o Ministério da Saúde sobre os motivos que estão a travar novas convenções com a ADSE que permitiriam alargar a oferta da rede às zonas do interior.

Numa pergunta dirigida ao gabinete da ministra da Saúde, Marta Temido, os deputados do PSD lembram que há hospitais privados que se instalaram recentemente nesta capital de distrito com os quais não existe convenção com a ADSE o que obriga os beneficiários deste subsistema de saúde da função pública a deslocarem-se a unidades hospitalares dos mesmos grupos privados, mas localizadas no litoral.

“Ora num momento em que parece existir uma consciência redobrada sobre a necessidade e urgência de garantir uma maior equidade e coesão territorial no nosso país, esta situação gera um sentimento de injustiça, já que os beneficiários da ADSE do distrito de Vila Real e dos distritos circundantes são claramente penalizados” sublinha o documento dirigido ao Ministério da Saúde.

Os deputados Luis Leite Ramos e Luis Pedro Pimental lembram que os cerca de 90.000 beneficiários do subsistema da ADSE da Região de Trás os Montes e Alto Douro “também descontam 3,5% da sua massa salarial”, tal como os funcionários públicos que residem em regiões do país com maior oferta de cuidados de saúde privados.

A ausência de convenções com os grupos privados que já estão instalados na região obriga os beneficiários a deslocarem-se cerca de 200 quilómetros para terem consultas, fazerem exames médicos ou acederem a tratamentos hospitalares, o que implica custos e perdas de tempo.

Os deputados questionam, por isso, os motivos que estão a travar a negociação de acordos com os grupos privados e se Marta Temido está disponível para “interceder” junto do Conselho Diretivo da ADSE no sentido de o “sensibilizar” para a necessidade de garantir “uma real igualdade de oportunidades” aos beneficiários.

Estas perguntas surgem numa altura em que tem sido noticiada a intenção de alguns grupos privados em suspender os acordos com a ADSE.

O Expresso noticiou na quarta-feira que alguns privados iam suspender as convenções a ADSE mas em comunicado, o instituto público informou, no mesmo dia, não ter recebido informação da parte dos grupos privados.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.