Açoriano Oriental
Ano Judicial
PGR atribui demora nos megaprocessos de crimes económicos à falta de meios

A procuradora geral da República atribuiu, esta segunda-feira, a demora nas investigações mais complexas sobre a criminalidade económico-financeira à falta de magistrados, especialistas e recursos materiais e realçou a importância da recuperação pelo Estado do produto dos crimes.

article.title

Foto: MÁRIO CRUZ/LUSA
Autor: Lusa/AO Online

No seu discurso, na abertura do ano judicial, Lucília Gago remeteu para mais tarde uma posição sobre a "estratégia nacional, global e integrada de combate à corrupção”, que sairá de um grupo de trabalho criado pelo Ministério da Justiça e que deverá ter conclusões em abril, mas ressalvou que o combate à corrupção pressupõe a afetação de mais meios humanos e materiais.

“O combate a esses fenómenos criminais, de assinalável grau de sofisticação, e a especificidade das investigações obriga a um inevitável esforço de formação dos investigadores e implica um investimento de tempo e de recursos financeiros que não pode ser menosprezado e que reclama, antes de mais, a assunção de uma inequívoca opção estratégica, assumida com inquebrantável vigor”, frisou.

A procuradora-geral da República (PGR) chamou também a atenção para a necessidade de o Estado confiscar os proventos dos crimes, impedindo “que os benefícios económicos originados pela atividade criminosa sejam camuflados e livremente usufruídos, procedendo à sua eliminação”.

“O combate a uma criminalidade especializada, complexa e essencialmente focada no lucro não se basta com a imposição de uma pena aos respetivos agentes, mas reclama a remoção dos benefícios obtidos”, afirmou a magistrada, notando que “só assim se logrará asfixiar financeiramente os que encontram no crime a forma exclusiva de obter lucro”, referiu.

Lucília Gago não fugiu à polémica autonomia ‘versus’ subordinação hierárquica no Ministério Público (MP), afirmando que existe um debate interno no que respeita à fase de inquérito do processo penal, admitindo que existe uma “corrente avessa a interferência ou ingerência hierárquica, de qualquer nível, na condução das investigações criminais”.

“Percebe-se, com indiscutível clareza, que a dualidade autonomia ‘versus’ dependência hierárquica continua hoje tão viva quanto outrora”, afirmou a PGR, observando que ganha notoriedade a tese que privilegia a autonomia de cada magistrado em detrimento do espírito de corpo único e da unidade da ação do MP e da sua estrutura hierarquizada.

No seu discurso, Lucília Gago fez também referência à criação já este ano dos Departamento de Tecnologias e Sistemas de Informação e ao Departamento de Cooperação Judiciária e Relações Internacionais e da entrada em funcionamento do Departamento Central de Contencioso do Estado e Interesses Coletivos e Difusos, bem como às recém-criadas Secções Especializadas Integradas de Violência Doméstica em Lisboa, Seixal, Sintra, Porto e Matosinhos, que permitem um tratamento concentrado e especializado.

A PGR falou ainda na importância do sistema de justiça juvenil, considerando fulcral uma melhor abordagem a fenómenos de violência juvenil, especialmente no meio escolar, no seio da família e os praticados em ambiente digital.

Este ano, a cerimónia de abertura do ano judicial decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa, devido às obras de beneficiação que decorrem no edifício do Supremo Tribunal de Justiça.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.