Nova História de Portugal actualiza conceitos


 

Lusa/AO On line   Nacional   22 de Nov de 2009, 07:21

A "História de Portugal" agora editada pela Esfera dos Livros actualiza conceitos, a maneira de fazer e a de transmitir a História, de forma rigorosa mas acessível, segundo o seu coordenador, Rui Ramos.

O volume sintetiza a História de Portugal desde a fundação à actualidade, "numa narrativa em que houve um esforço para se ser claro mas transmitir a História na sua complexidade e profundidade", disse à Lusa o historiador.

O volume coordenado por Rui Ramos, que conta ainda com as colaborações dos historiadores Bernardo Vasconcelos e Sousa e Nuno Gonçalo Monteiro, é apresentado na próxima quinta-feira à tarde na sala Portugal da Sociedade de Geografia de Lisboa, à Rua das Portas de St.º Antão.

A actual edição da "História de Portugal" é "uma síntese" em 973 páginas, incluindo fotografias, mapas, uma cronologia, listas de chefes de Estado e de Governo, várias notas e bibliografia, "procura reflectir a mudança operada na historiografia, nos últimos 30 anos".

"A História em Portugal mudou muito nos últimos 30 anos, há muita gente a fazê-la com novos métodos e novas perspectivas, e era importante que esta síntese reflectisse isso mesmo de uma forma que todos entendessem", salientou Rui Ramos.

A "História de Portugal" apresenta um novo esquema cronológico, não dividindo os diferentes períodos nem por dinastias, nem por ciclos económico-sociais.

Relativamente ao período mais recente, a partir da década de 1980, Rui Ramos afirmou que se optou "por um discurso narrativo diferente, sem uma análise político-social pois é tudo muito recente, mas não se deixou de marcar as grandes opções, as grandes viragens, sendo essencialmente informativo".

Bernardo Vasconcelos e Sousa foi o responsável pelo período desde a fundação da nacionalidade até finais do século XV (reinado de D. João II), Nuno Gonçalves Monteiro pelo período seguinte até às invasões francesas (1807), e Rui Ramos a partir daqui até à actualidade, bem como a coordenação da obra.

Rui Ramos referiu a introdução de "conceitos inovadores" como o da "monarquia barroca" (1668-1750) ou a atenção dada ao período antecedente, a Restauração (1640-1668), algumas das inovações desta obra.

"O reino quinhentista (1481-1557) por exemplo, tem muita coisa nova e que não era até aqui integrada desta forma ou até tida em conta", realçou.

Bernardo Vasconcelos e Sousa é professor na Universidade Nova, autor de vários artigos e obras, entre elas, a biografia do Rei Afonso V e "Linhagem da nobreza medieval portuguesa" que lhe valeu um prémio da Academia de Ciências.

Nuno Gonçalo Monteiro é investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e autor de várias obras, entre elas, "D. José. Na sombra de Pombal".

Rui Ramos é investigador principal do mesmo Instituto e autor de vários títulos, designadamente uma biografia do Rei D. Carlos e o sexto volume da "História de Portugal" dirigida por José Mattoso.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.