Mónica Lice: uma blogger na era de Youtubers e Influencers

Mónica Lice: uma blogger na era de Youtubers e Influencers

 

Tatiana Ourique / AO Online   Regional   20 de Dez de 2018, 20:30

O blog “Mini-Saia” já foi o mais visitado do país no ramo da moda. Mónica Lice, açoriana da ilha Terceira, é hoje uma referência nacional da moda e consultoria de imagem mas admite que, em 2006, em Bissau, o percurso foi bem lento e experimental.


Mónica Lice nasceu na ilha Terceira, na freguesia do Raminho, em Angra do Heroísmo, há 38 anos. Viveu na freguesia rural da ilha até aos 18 anos, idade com que integrou a Universidade Clássica de Lisboa, para se licenciar em direito. Depois da formação superior rumou à Guiné para dar aulas na Faculdade de Direito de Bissau.

Na Guiné, em 2006, nasce o blog “Mini-Saia” num registo muito experimental e em jeito de escape: “Foi quando comecei a ter internet em casa que a ideia surgiu (convém perceber que, na altura, ter internet em casa, na Guiné, quando a maior parte das pessoas nem luz ou água canalizada tinham, era um luxo supremo). Surgiu por brincadeira. Na altura, sentia a falta de ter lojas, revistas e um pouco do universo feminino por perto, pelo que o blog ajudou a colmatar essa carência, ligando-me ao mundo cor-de-rosa, ainda que de forma virtual, e sendo uma espécie de escape ao meu dia-a-dia de trabalho” explicou a blogger em entrevista ao Açoriano Oriental.

De regresso a Lisboa, em 2010, a moda foi ganhando mais lugar na vida da terceirense: “tirei um curso de Styling e um curso de Consultoria de Imagem e comecei a viver exclusivamente como blogger profissional e como consultora de imagem” e adianta que foi esse o momento em que as visualizações dispararam “nessa altura o número de leitoras cresceu imenso e passei a ser a blogger de moda e beleza mais lida da altura.”

Mas foi um processo bastante experimental. Mónica Lice admite que não tinha referências “Há 13 anos, quando criei o blog, só acompanhava um de um colega que também estava na Guiné e escrevia sobre África. Por isso, fui imaginando como seriam as coisas e sonhando, antes delas acontecerem. Lembro-me, por exemplo, de imaginar, ainda na Guiné, como seria bom conseguir rentabilizar o projeto e passar a viver em exclusivo desta atividade. Mas estava muito longe de imaginar que tal seria possível (…) Gosto de escrever num tom descontraído e informal, de uma amiga para outras tantas. Tento juntar sempre bastante imagens às minhas publicações, de modo a tornar o conteúdo mais interessante e apelativo”.

Os primeiros grandes passos estão ainda bem presentes na memória da blogger: “Lembro-me da emoção que foi ouvir e ler a crónica da RDP que o Pedro Rolo Duarte dedicou ao Mini-Saia. Foi a primeira vez que um meio de comunicação social convencional o fez. Outros momentos importantes foram, por exemplo, o convite para o livro e a sua publicação, o primeiro convite para uma viagem Internacional, a crónica na SIC Mulher”. As pessoas que foi conhecendo e as viagens pelo mundo a convite de grandes marcas são, para a blogger, o mais fascinante da profissão. O passaporte já conta com um bom número de destinos: “Brasil, para a São Paulo Fashion Week, Israel e a Palestina, Paris, Londres, Barcelona, Roma, Dublin, Estocolmo, Madrid, Copenhaga, entre muitos outros.”

Sobre o aparecimento do termo “influencers” da atualidade Mónica Lice acredita que não é nada muito novo: “Sempre fui uma blogger que influencia. O termo influencer, mais recente, nasceu da necessidade de denominar alguém que tem alguma influência nos conteúdos que publica noutras plataformas que não um blogue. Mas claro que sempre existiram influenciadores no blogosfera.
Por isso, sou e continuo a ser, fundamentalmente, uma blogger que cria conteúdos em diferentes plataformas e consegue influenciar quem a lê e segue”. A açoriana garante, ainda, que a publicidade na Internet através de influenciadores já existe há mais de uma década e que esse fator mudou o paradigma do marketing e da publicidade no mundo.

A açoriana admite que atualmente é mais difícil inovar nos conteúdos dado o fluxo de informação com que as pessoas são bombardeadas diariamente. “A verdade é que se torna complicado ver tudo e estar a par de tudo. Talvez, por isso, as pessoas prefiram passar os olhos em imagens, porque não conseguem ler com atenção os conteúdos”, o que não invalida que também, em momentos de maior disponibilidade, os subscritores optem por ler artigos mais completos de informação. Mónica acredita, também, que o “boom” das redes sociais veio abalar um pouco a blogosfera o que, ao mesmo tempo, obrigou à renovação e a novos desafios para os blogs. No caso da “Mini-saia” o instagram é o complemento favorito da autora.

Apesar de conhecida e influente nacional e internacionalmente, Mónica Lice faz questão de passar todos os verões nos Açores onde as filhas Laura e Emília Lice aproveitam para banhos de mar nos Biscoitos e para conhecer melhor a vida no campo na terra natal da mãe que tem o sonho de ainda escrever, pelo menos, mais um livro.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.