Birmânia

Milhares de pessoas manifestam-se em Rangun em demonstração de apoio à Junta Militar

Milhares de pessoas manifestam-se em Rangun em demonstração de apoio à Junta Militar

 

Lusa / AO online   Internacional   13 de Out de 2007, 11:34

Milhares de pessoas manifestaram-se esta manhã nas ruas de Rangun, numa demonstração de apoio à Junta Militar e protesto contra a declaração de quinta-feira do Conselho de Segurança da ONU, que "lamentou" a repressão na Birmânia.
    Trata-se da primeira manifestação de apoio à Junta Militar em Rangun, capital da Birmânia (actual Myanmar), desde que os militares iniciaram o movimento de repressão popular, noticiou hoje a rádio tailandesa.

    Os manifestantes percorreram as ruas da capital debaixo de chuva e entre eles contava-se grande número de monges, segundo a emissora tailandesa.

    Esta manifestação coincidiu com a resposta da Junta Militar à declaração das Nações Unidas, que foi dada hoje através do jornal oficial A Nova Luz de Myanmar, e onde se pode ler que a actual situação na Birmânia "não representa qualquer ameaça para a paz e segurança do país”.

    Ainda assim, a Junta compromete-se a cooperar com a comunidade internacional e prosseguir com a definição do seu próprio “roteiro para a democracia”.

    Na quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU aconselhou a Junta Militar da Birmânia a libertar os presos políticos e a encetar conversações com a oposição, encabeçada pela Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, que se encontra em prisão domiciliária desde 2003.

    A ditadura militar na Birmânia dura há 45 anos e não se celebram eleições parlamentares desde 1990, quando o partido no poder perdeu a corrida para Suu Kyi, resultado que os generais que governam o país nunca acataram.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.