Convenção Democrata de Denver

Michelle Obama muito aplaudida no primeiro dia de Convenção

Michelle Obama muito aplaudida no primeiro dia de Convenção

 

Inês Escobar de Lima e Pedro Morais Fonseca, Lusa/AO online   Internacional   26 de Ago de 2008, 11:17

O primeiro dia da Convenção Democrata de Denver teve poucas novidades políticas e uma forte presença de familiares do candidato a Presidente dos Estados Unidos Barack Obama, que subiram ao palco para falar das suas qualidades pessoais.
    Durante as seis horas de intervenções, com frequentes períodos de música ao vivo e exibição de vídeos pelo meio, passaram pelo palco do Pepsi Center, em Denver, Colorado, a meia-irmã de Barack Obama, Maya Soetoro-Ng, o cunhado, Craig Robinson, e amigos que acompanharam o percurso do candidato.

    A mulher de Barack Obama, Michelle, fez o último discurso da noite e os trabalhos da Convenção Democrata encerraram com a subida ao palco das duas filhas do casal, que falaram com o pai por videoconferência.

    Em directo a partir de Kansas City, Missouri, onde esteve numa acção de campanha, Barack Obama perguntou às filhas se tinham gostado do discurso da mãe: “Como acham que a mãe se saiu?”. A filha mais nova, Sacha, respondeu: “Acho que se saiu bem.”

    “Agora percebem porque a convidei para sair tantas vezes, mesmo tendo ela dito que não. Querem um Presidente persistente…”, observou, elogiando o discurso da mulher. “Foste inacreditável e estás muito gira”, acrescentou Obama, dirigindo-se a Michelle.

    Michelle Obama falou aos delegados como mulher, como mãe e como filha e disse que ela e Barack foram criados com valores comuns, por pais da classe trabalhadora que queriam para os filhos as oportunidades que não tiveram.

    Os delegados aplaudiram-na sobretudo quando elogiou Hillary Clinton e quando lembrou “as famílias dos militares que dão graças a Deus antes das refeições com um lugar vazio à mesa” por terem os seus filhos em combate.

    Michelle Obama afirmou no final do discurso que, depois de mais de um ano de campanha para a presidência dos Estados Unidos, o seu marido é o mesmo homem por quem se apaixonou.

    Antes, Maya Soetoro-Ng elogiou o carácter do meio-irmão e declarou que da mesma forma que sempre se dedicou a apoiá-la, Barack Obama vai dedicar-se ao povo dos Estados Unidos.

    Um dos momentos com maior carga emotiva do primeiro dia da Convenção aconteceu com a homenagem a Edward M. Kenndy, que subiu ao palco perante uma enorme ovação dos delegados e após um breve discurso da sua sobrinha Caroline Kennedy, filha do antigo presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy.

    Edward Kennedy, que luta contra um cancro, disse que nada o poderia afastar desta “reunião especial” em Denver e manifestou a convicção de que estará presente quando se iniciar um novo ciclo político em Janeiro com Barack Obama como Presidente.

    Falando numa “nova onda de mudança”, Ted Kennedy comparou a utopia e os ideais políticos de Obama aos do seu irmão John.

    “Quando [John Kennedy] pensou em ir à Lua não disse: 'É muito longe, é melhor nem tentar.' Uma bandeira americana continua na superfície da Lua. Nós chegámos à Lua e podemos fazê-lo outra vez”, disse, após sublinhar as aspirações de Obama em tornar a saúde um direito de todos os cidadãos e não um privilégio de poucos.

    Edward Kennedy salientou que tanto ele como Obama querem acabar com o envio “de jovens americanos de uniforme para um erro”, numa alusão à guerra do Iraque e, numa nota de optimismo, disse estar confiante de que “o testemunho” do poder será passado em Novembro próximo para “uma nova geração de americanos”.

    No primeiro dia da Convenção os discursos foram de elogio unânime às qualidades de Barack Obama e é aguardada com expectativa a forma como a sua adversária nas primárias, Hillary Clinton, falará hoje aos delegados.

    Hillary Clinton elegeu pouco menos de metade dos delegados presentes em Denver e o modo como se posicionar em relação à candidatura de Barack Obama será determinante para a unidade do Partido Democrata na campanha contra o republicano John McCain.

    Por outro lado, a candidatura de Obama tem como objectivo conseguir o voto de parte dos eleitores que apoiaram a campanha de Clinton nas primárias e que, segundo as sondagens, estão agora indecisos ou que dizem preferir votar em McCain.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.