Europeias

MAS juntou-se a várias centenas em Coimbra numa marcha contra a homofobia


 

Lusa/Ao online   Nacional   18 de Mai de 2019, 19:10

Várias centenas de pessoas desfilaram esta tarde na cidade de Coimbra contra a homofobia e transfobia, numa iniciativa de campanha em que participou o Movimento Alternativa Socialista (MAS) para defender os direitos dos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros).

"Os direitos dos LGBT ainda não estão conquistados e sendo [Portugal] uma nação europeia, nós achamos que na legislação europeia dos vários países devia estar contemplado o casamento de pessoas do mesmo sexo, a adoção e coadoção", disse à agência Lusa o cabeça de lista do MAS, Vasco Santos, salientando que há vários países em que isso ainda não está contemplado.

O candidato disse que em Portugal e noutros países "é preciso garantir que a precariedade, que os LGBT acabam por sofrer mais, também acabe", para que duas pessoas possam ter condições para casamento, adoção ou coadoção.

Segundo Vasco Santos, a questão dos LGBT é uma das prioridades do MAS, juntamente com as questões das mulheres, dos migrantes e dos negros, que ainda sofrem de racismo "que também queremos combater".

O partido assenta o seu programa na defesa dos direitos das mulheres, migrantes, LGBT, negros e ciganos, "outra comunidade altamente perseguida neste país e que estão cá há 500 anos, são portugueses".

"Com o crescimento de partidos de extrema direita e partidos fascistas, o que se vê é o crescimento de um discurso de ódio contra os mais fragilizados: LGBT, mulheres, negros e ciganos, que são perseguidos em países como Roménia, Hungria, Itália, França e noutros países do mundo", frisou.

Para Vasco Santos, tem de existir um combate concertado contra "este discurso de ódio, assente em falácias e mentiras", já que a presença de migrantes na Europa é altamente residual.

"Não chega a 1% da população, como tal estamos a insuflar medos e a meter medos que não fazem sentido", sublinhou o candidato do MAS, apontando baterias ao combate firme à extrema-direita.

Organizada pela Plataforma Anti-Transfobia e Homofobia (PATH) de Coimbra e com o lema "ninguém larga a mão a ninguém", a marcha juntou várias centenas de participantes que saíram do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, atravessaram a Ponte de Santa Clara, o Largo da Portagem e as ruas Ferreira Borges e Visconde da Luz até terminarem na Praça 08 de maio.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.