Manuel Alegre alerta para tentativa de desvalorizar eleição presidencial

Manuel Alegre alerta para tentativa de desvalorizar eleição presidencial

 

Lusa/AO Online   Regional   5 de Dez de 2010, 07:32

O candidato à Presidência da República, Manuel Alegre, alertou sábado à noite em Angra do Heroísmo para a tentativa de “desvalorizar a eleição presidencial”, frisando que “não há vencedores antecipados”.

“Tentam desanimar os meus apoiantes e convencer as pessoas de que não vale a pena fazer campanha porque o candidato Cavaco Silva já está eleito”, afirmou Manuel Alegre, que falava perante cerca de três centenas de apoiantes no jantar-comício que encerrou a deslocação de dois dias aos Açores.

Alegre frisou, no entanto, que “a campanha eleitoral ainda não começou e, em democracia, não há vencedores antecipados”.

Na sua intervenção, o candidato presidencial sublinhou que sabia “ser mais fácil fazer campanha no cargo de Presidente da República, confundindo a função presidencial com a função de candidato à Presidência da República”.

Alegre afirmou ser “um resistente”, que se bateu “toda a vida pela democracia” e que não vai “baixar os braços”.

“Vou bater-me até ao fim, porque não estou aqui a cumprir calendário, estou aqui pela vitória”, assegurou.

Manuel Alegre recordou que nas anteriores eleições presidenciais também se dizia “que Cavaco Silva já estava eleito”, frisando que ficou “apenas a menos de 30 mil votos da segunda volta”.

“Desta vez é diferente porque há o apoio do PS, do BE e de movimentos cívicos”, acrescentou.

Dirigindo-se diretamente aos açorianos, Alegre garantiu estar na corrida “também pela autonomia”, que considerou “um símbolo da liberdade”, defendendo que “reforçando-se a especificidade das regiões autónomas, contribui-se para reforçar a portugalidade e a identidade nacional portuguesa”.

Para o candidato, “a democracia está a ser posta em causa na sua qualidade por uma entidade mítica e uma nova ditadura dos mercados financeiros”.

“O capitalismo financeiro está completamente desregulado, os direitos sociais, os serviços públicos, que custaram o sacrifício e a luta de gerações e gerações, estão a ser postos em causa em toda a parte”, frisou.

Nesse sentido, acusou “as forças conservadoras e do capitalismo financeiro” de estarem “a aproveitar esta crise para pôr em causa esses direitos sociais, além de pretenderem baixar os custos de produção, desvalorizando-se o trabalho”.

Manuel Alegre afirmou que se candidata porque o país precisa de “um Presidente da República que não se cale quando deve assumir a defesa do interesse nacional, que seja moderador e regulador, garante das liberdades e da imparcialidade”.

Portugal, sustentou Manuel Alegre, “não precisa de um [presidente] que acrescente problemas ao funcionamento do sistema, que promulgue leis e a seguir venha desvalorizá-las, que invente conflitos como foi o caso do Estatuto Político Administrativo da Região Autónoma dos Açores”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.