Saúde

Mais de 200 mil portugueses infetados sem saberem

Mais de 200 mil portugueses infetados sem saberem

 

Lusa/AO Online   Nacional   27 de Jul de 2012, 09:31

Mais de 200 mil portugueses estarão infetados com hepatite B ou C sem o saberem, segundo estimativas divulgadas pela associação SOS Hepatites, que alerta para a importância do rastreio para toda a população.

 

“A nossa maior preocupação é o rastreio, convencermos a população de que não há grupos de risco e de que deve fazer o rastreio”, sublinha à agência Lusa Emília Rodrigues, representante da associação de doentes, a propósito do Dia Mundial da Hepatite, que se assinala no sábado.

Apesar de aconselhar o rastreio generalizado, que pode ser feito através de uma análise requisitada pelo médico de família, a SOS Hepatites convida os portugueses a questionarem-se sobre alguns fatores de risco.

“Anda cansado? Tem pressão no abdómen? É ex-combatente da Guerra Colonial foi operado ou deu sangue antes de 1992? Fez algum aborto mesmo que há muito tempo, mesmo há mais de 40 anos? Tem tatuagens ou piercings?”, são algumas das perguntas que podem levar à necessidade de rastreio.

Quanto aos ex-combatentes, Emília Rodrigues explica que se suspeita que possam ter sido expostos ao vírus em território português, porque antes de embarcarem para África levavam, em grupo, uma vacina, que era administrada sem os cuidados necessários.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que em Portugal haja 120 mil portadores de hepatite B e 170 mil de hepatite C, mas apenas 10 a 15% destes doentes estão detetados.

“Há muitas pessoas que, mesmo não tendo o mínimo sintoma, podem estar infetadas. Quando tiver sintomas infelizmente será tarde, porque já terá uma cirrose ou um cancro”, avisa Emília Rodrigues.

Para divulgar a importância do rastreio, a SOS Hepatites promove no sábado rastreios gratuitos numa rede de laboratórios privados entre as zonas do Cadaval e Setúbal.

O vírus da hepatite B transmite-se através do contacto com o sangue e relações sexuais desprotegidas, tal como o vírus da sida, mas o da hepatite é 50 a 100 vezes mais infecioso.

Já a hepatite C, transmitida por via sanguínea, pode tornar-se crónica em 80% dos casos, podendo evoluir para a cirrose ou cancro do fígado.

Segundo o site da Associação SOS Hepatites, a hepatite é uma infecção no fígado que pode ser provocada por bactérias, por um dos sete tipos de vírus (A, B, C, D, E e G ) ou pelo consumo de produtos tóxicos como o álcool, medicamentos e algumas plantas.

A gravidade da doença é variável em função do tipo da doença e dos danos já causados ao fígado e o tratamento pode passar por mero repouso ou pode exigir uma terapia mais prolongada e complexa, que nem sempre leva à cura completa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.