Lixo dá origem a decorações de Natal em freguesia da ilha Terceira

Lixo dá origem a decorações de Natal em freguesia da ilha Terceira

 

Lusa/AO online   Regional   14 de Nov de 2012, 14:57

Milhares de garrafas de plástico estão a ser transformadas em decorações de Natal na freguesia do Porto Martins, no concelho da Praia da Vitória, num projeto que envolve cerca de 40 voluntários.

A ideia partiu da presidente da Junta de Freguesia do Porto Martins, Rita Branco, e arrancou há cerca de um mês, apenas com a colaboração dos funcionários da autarquia e do grupo de escuteiros, mas neste momento já envolve todas as forças vivas da localidade, desde o grupo de idosos à comissão da Igreja Católica.

Garrafas de plástico de vários tamanhos e cores, sobretudo, mas também pneus, vidros e rolhas de cortiça dão origem a bolas, fios e grinaldas de Natal, estando em construção também uma árvore com mais de mil garrafas que vai enfeitar a partir do início de dezembro o centro da freguesia.

A matéria-prima, ou seja, o lixo reciclável, é cedida gratuitamente por empresas, como a Resiaçores, que faz triagem de resíduos na ilha Terceira, sendo que o único material comprado é o arame para agregar as peças.

Segundo a presidente da junta de freguesia, o projeto teve por base a sensibilização ambiental da população, dando continuidade a outras iniciativas que levaram a que, este ano, a autarquia tivesse sido “galardoada com três bandeiras relacionadas com a qualidade do ambiente”.

“O objetivo é a sensibilização ambiental, ao mesmo tempo a gente decora a nossa freguesia para o Natal e também tem uma terceira vertente: colocar muita gente em prol de um projeto comum”, frisou Rita Branco, em declarações à Lusa.

A autarca realçou que a decoração visa também “levantar o astral das pessoas” e uni-las, para manter “o espírito de Natal”, apesar dos tempos difíceis que algumas famílias atravessam.

Rita Branco admitiu que sem a reutilização dos materiais e a colaboração de voluntários não seria possível decorar a freguesia com as verbas existentes, mas salientou que o trabalho “dá muita satisfação”.

O projeto conta também com a participação de um grupo de beneficiários do Rendimento Social de Inserção, que no âmbito de um programa regional trabalham para a junta de freguesia, fazendo habitualmente a limpeza da via pública.

Quando as condições meteorológicas não permitem o trabalho exterior, os três funcionários fazem a seleção dos plásticos na Resiaçores, consoante a cor, o tipo e o estado de conservação, sendo depois a própria autarca a fazer a limpeza dos materiais recolhidos.

Dina Meneses, uma das funcionárias, falou com emoção do projeto, dizendo ter orgulho do resultado final e lamentando que o programa que a colocou na Junta de Freguesia do Porto Martins esteja “perto a acabar”.

“Acho que foi uma bela ideia”, frisou, acrescentando que quando recolheu as primeiras garrafas não imaginava no que se iriam transformar.

A casa de Rita Branco é o ponto de encontro dos vários voluntários. Segundo a autarca, o projeto é “contagioso”, porque quem vê as peças transformadas ganha vontade de colaborar.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.