Líder do PSD/Açores ouvido nas instalações da PJ no âmbito da “Operação Nortada”

Líder do PSD/Açores ouvido nas instalações da PJ no âmbito da “Operação Nortada”

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Jul de 2019, 09:16

O líder do PSD/Açores e presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Alexandre Gaudêncio, foi ouvido quarta-feira nas instalações de Ponta Delgada da Polícia Judiciária (PJ), no âmbito da “Operação Nortada”, confirmou à agência Lusa fonte policial.

A PJ dos Açores constituiu em 02 de julho "vários arguidos", entre os quais o presidente da Câmara da Ribeira Grande, numa operação por suspeitas de "crimes de peculato, prevaricação, abuso de poder e falsificação de documentos.

De acordo com a mesma fonte policial, Alexandre Gaudêncio pode, ou não, voltar a ser ouvido no âmbito deste processo, o que “dependerá da dinâmica” do mesmo e dos novos elementos que venham a surgir.

Além de Alexandre Gaudêncio, que era o único arguido que ainda não tinha sido ouvido pela PJ, já prestaram declarações Nuno Costa, sócio-gerente da empresa Greenmark, Paulo Silva, coordenador do Partido Aliança nos Açores, Gui Martins, da Escola Profissional da Ribeira Grande e Cooperativa Ponte Norte, e Jacinto Franco, promotor do Festival Monteverde.

Em causa está um contrato com o artista brasileiro MC Kevinho para um concerto ocorrido em abril no município açoriano.

O concerto em causa provocou polémica na Ribeira Grande devido aos valores envolvidos: em abril, o jornal "Açoriano Oriental" revelava que em causa estariam 123 mil euros entre 'cachet' e organização, aos quais se terão juntado a receita de bilheteira a favor do artista brasileiro.

A autarquia destacou então a divulgação e promoção da Ribeira Grande "a nível nacional e internacional" que a organização do concerto trouxe.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, chegou a referir-se ao contrato num debate parlamentar em maio.

Na altura, e respondendo a críticas do líder da bancada do PSD/Açores na Assembleia Legislativa Regional, declarou: "O senhor deputado Luís Maurício sabe o que é que os açorianos dizem, quando num concelho que tem uma das maiores taxas de pobreza, uma câmara municipal paga 200 mil euros por um concerto de um artista brasileiro?".

Os vereadores do PS na autarquia da ilha de São Miguel tinham também dado a indicação de que iriam "solicitar a intervenção das entidades competentes" sobre o contrato firmado com MC Kevinho.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.