Israel pede abertura de arquivos do Vaticano para avaliar acção de Pio XII durante a II Guerra Mundial


 

lusa   Internacional   20 de Dez de 2009, 13:52

Israel pediu hoje a abertura de arquivos do Vaticano sobre a Segunda Guerra Mundial, após a decisão de Bento XVI em retomar o processo de beatificação do papa Pio XII, acusado de ter mantido silêncio durante o Holocausto.

"O processo de beatificação não nos diz respeito, é um assunto que apenas diz respeito à Igreja Católica. Quanto ao papel de Pio XII, é para os historiadores avaliarem e, por isso, desejamos a abertura Arquivos do Vaticano durante a Segunda Guerra Mundial ", disse à AFP o porta-voz do Ministérios dos Negócios Estrangeiros, Yigal Palmor.

Bento XVI, que fez este ano uma peregrinação na Terra Santa, proclamou no sábado "venerável" dois de seus antecessores, João Paulo II e Pio XII, suscitando protestos das comunidades judaicas de Berlim e Roma em relação ao último.

No fim da década de 1960, Pio XII foi acusado de ter uma atitude passiva em relação ao Holocausto, o que atrasou seu processo de beatificação começado em 1967, mas desde que se tornou papa em 2005, o alemão Joseph Ratzinger - um adolescente durante a era nazista - tomou a defesa de Pio XII em várias ocasiões.

Os arquivos do Vaticano estará disponível em 2013, segundo declarou, no ano passado, o rabino David Rosen, que participou nas negociações do "acordo básico" sobre a criação em 1993 das relações diplomáticas entre Israel e a Santa Sé.

No ano passado, o ministro israelense de Assuntos Sociais, Yitzhak Herzog, referiu que "o projecto para transformar Pio XII, em santo é inaceitável. Durante o Holocausto, o Vaticano sabia muito bem o que estava acontecendo na Europa (...) O papa manteve silêncio e pode ser agravada, em vez de aumentar, de acordo com o mandamento bíblico contra o derramamento de sangue."

O balanço do pontificado de Eugenio Pacelli - que dirigiu a Igreja Católica 1939-1958 e foi núncio apostólico em Berlim quando Hitler chegou ao poder em 1933 - está a ser debatido tanto entre os judeus como no seio da Igreja Católica.

No Memorial de Yad Vashem, em Jerusalém, dedicado à memória e ao estudo do Holocausto, a foto de Pio XII é acompanhada por uma legenda que o acusa de não se ter manifestado contra o genocídio.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.