Açoriano Oriental
Inflação sobe para 8,7% em junho e atinge máximo desde dezembro de 1992

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá aumentado para 8,7% em junho, face aos 8,0% de maio, o valor mais alto desde dezembro de 1992, estimou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).


Autor: Lusa/AO Online

De acordo com a estimativa rápida divulgada pelo instituto estatístico, “tendo por base a informação já apurada, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá aumentado para 8,7% em junho (8,0% em maio)”.

“Trata-se do valor mais elevado desde dezembro de 1992”, sublinha.

O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) terá registado uma variação de 6,0% (5,6% no mês anterior), o registo mais elevado desde maio de 1994.

Quanto à taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos, o INE estima que se situe nos 31,7% em junho (27,3% no mês precedente), o “valor mais alto desde agosto de 1984”.

Já o índice referente aos produtos alimentares não transformados terá apresentado uma variação de 11,9%, que compara com 11,6% em maio.

Em junho face ao mês anterior, a variação do IPC ter-se-á fixado em 0,8% (1,0% em maio e 0,2% em junho de 2021), estimando-se uma variação média nos últimos 12 meses de 4,1% (3,4% no mês anterior).

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português terá registado uma variação homóloga de 9,0% em junho (8,1% no mês anterior).

Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de junho de 2022 serão publicados pelo INE em 12 de julho.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados