Grupo mundial do Golfo Pérsico em vias de instalar fábrica em Portugal

Grupo mundial do Golfo Pérsico em vias de instalar fábrica em Portugal

 

Lusa/AO Online   Economia   4 de Dez de 2013, 17:18

O vice-primeiro-ministro anunciou esta quarta-feira que "há uma forte possibilidade" de um grupo mundial do Golfo Pérsico instalar uma fábrica de rações animais em Portugal e que o país vai exportar para os Emirados Árabes Unidos carne de vaca e de aves.

 

"Acho que estamos a conseguir fechar bem esse dossier que é para 2014", disse Paulo Portas, no final da assinatura de um contrato entre uma empresa portuguesa para a exportação de azeite ‘premium' para oito países do Golfo, com um valor potencial de cinco milhões de euros, no âmbito da missão empresarial ao Qatar e aos Emirados Árabes Unidos que termina na sexta-feira.

O vice-primeiro-ministro frisou que "há uma forte possibilidade" de "um grande grupo mundial" sediado no Golfo Pérsico, sem dizer qual, de instalar "uma fábrica de rações animais".

"Tinham [grupo mundial] de escolher um país para investir e a Aicep "apresentou uma proposta competitiva e suponho que Portugal está muito bem colocado", disse.

O governante explicou que esse grupo comprará aos agricultores portugueses, transformará os seus produtos que exportarão a partir de Portugal.

Sobre o local para a instalação da fábrica, o investimento e a criação de emprego, Paulo Portas foi cauteloso: "Vamos com cuidado, demos um passo bastante grande para que o investimento seja feito em Portugal e não noutro país".

Paulo Portas avançou ainda que Portugal negociou com o Governo dos Emirados Árabes Unidos a abertura de dois novos mercados para as exportadoras portuguesas.

"Vamos poder exportar para os Emirados Árabes Unidos carne de vaca e carne de aves e entregámos pedidos para poder fazer o mesmo para leite e laticínios", disse, destacando o papel do ministério da Agricultura nas negociações.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.