Governo dos Açores destaca estratégia de redução da sazonalidade do turismo

Governo dos Açores destaca estratégia de redução da sazonalidade do turismo

 

Lusa/AO Online   Regional   27 de Fev de 2019, 15:00

O presidente do Governo Regional dos Açores destacou, esta quarta-feira, em visita à Furna do Enxofre, na Graciosa, a estratégia do executivo para a diminuição da sazonalidade do setor turístico no arquipélago.

Vasco Cordeiro revelou que, nos Açores, tem sido possível “alargar a chamada época alta do turismo, com a consequente diminuição da sazonalidade" no turismo do arquipélago.

“Isso é particularmente relevante porque para os nossos empresários, desde logo, interessa fundamentalmente não ter épocas durante o ano em que essa taxa de sazonalidade (…) seja muito acentuada”, prosseguiu.

As declarações surgem depois de, na terça-feira, ter ouvido, em visita a um empreendimento apoiado pelo programa de incentivos Competir+, queixas acerca dos graves efeitos que a sazonalidade tem na ilha, tendo o proprietário admitido a necessidade de despedimentos por causa desse problema.

O líder do executivo apontou como estratégias de combate à sazonalidade a Revisão do Plano e Ordenamento Turístico da Região Autónoma dos Açores (POTRAA), a certificação da região como destino sustentável e um “conjunto de outras iniciativas, desde a captação de mercados turísticos, de promoção e notoriedade da região, que são essenciais para o tipo de turismo” na região, “e para o contributo que esse turismo traz para a criação de emprego, para a criação de riqueza”.

Sobre os números do turismo, adiantou que, em 2018, tanto as dormidas, como o rendimento gerado por dormida, cresceram 7% a nível regional, sendo que, na Graciosa, houve um aumento de 6% nas dormidas e de 8% no rendimento gerado.

Em visita ao centro de interpretação da Furna do Enxofre, no segundo dia de visita da comitiva governamental à ilha da Graciosa, o líder do executivo açoriano ressalvou a importância daquele empreendimento, inserido numa “estratégia de rentabilização do património natural”, presente nas orientações do Governo, que demonstram “uma preocupação muito concreta e muito presente em procurar o bom ponto de equilíbrio entre o turismo como fator de criação de desenvolvimento de riqueza e de emprego e a preservação daquilo que é (…) património natural”.

O centro de interpretação da Furna do Enxofre abriu em 2010 e recebeu, desde então, uma média de 8.000 visitantes por ano, sendo que espera alcançar, até ao final de 2019, a marca dos 50.000 visitantes desde a inauguração.

A Furna do Enxofre integra a rede de reservas da biosfera desde 2007.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.