Governo dos Açores "desapareceu do combate à crise" diz o PSD

Governo dos Açores "desapareceu do combate à crise" diz o PSD

 

Lusa / AO online   Regional   28 de Nov de 2013, 20:49

O presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas, disse hoje que "se exige mais" ao Governo Regional socialista, acusando o executivo açoriano de estar mais preocupado em combater a República do que a crise.

 

"Este Governo Regional desapareceu em combate contra o Governo da República e desapareceu do combate à maior crise financeira, económica e social da autonomia", disse Duarte Freitas, no encerramento do debate, no parlamento açoriano, na Horta, dos documentos orçamentais dos Açores para 2014 (Orçamento e Plano anual de investimento).

Duarte Freitas, que já anunciou a abstenção do PSD na votação dos documentos, que terá lugar durante as próximas horas, voltou a dizer que tem "muitas dúvidas" em relação ao Plano e Orçamento dos Açores para 2014, tal como "a generalidade dos parceiros sociais", que apontaram que muitas das verbas não são verdadeiro investimento, mas servem apenas para pagar obras já feitas e juros.

“Tem de ser possível fazer mais e melhor. Ao Governo Regional exige-se mais nestes tempos de crise e exige-se melhor", afirmou, sublinhando que a abstenção do PSD "não é um sinal de confiança" ao executivo, mas "uma oportunidade para os açorianos que não pode ser desperdiçada".

O presidente do PSD nos Açores considerou que os sociais-democratas têm dado provas de disponibilidade para o diálogo e cooperação com o executivo e as outras forças políticas açorianas, mencionando áreas como a reestruturação da saúde, a base das Lajes, os fundos europeus ou a "agenda para a competitividade e o emprego".

Duarte Freitas lamentou, por isso, que os socialistas acusem o PSD de não dar contributos e acusou o PS de arrogância e incongruência em diversas matérias.

"O PS muda de opinião sempre que Lisboa muda de cor", disse Duarte Freitas, argumentando com dossiês como o da RTP/Açores ou a universidade da região.

O dirigente social-democrata considerou também "incongruência" o discurso socialista da defesa e reforço dos apoios sociais quando não aumentará pelo segundo ano consecutivo o complemento dado ao abono de família e aumenta em 1 euro os complementos das pensões.

Duarte Freitas rebateu assim a acusação de "incongruência" que os socialistas lhe fizeram neste debate, que se prolongou por três dias, por os deputados do PSD/Açores terem votado a favor do Orçamento do Estado na Assembleia da República, que prevê cortes para os pensionistas e para as universidades.

O social-democrata disse ainda que "o verdadeiro problema da democracia é quando os governos se tornam arrogantes", depois de o presidente do Governo Regional ter apontado, no início do debate, a "irrelevância" da oposição face à maioria absoluta do PS nos Açores.

Duarte Freitas apontou também alguns resultados da governação socialista dos Açores, que tem mais de 16 anos, destacando "a nódoa" que são para o PS os resultados escolares no arquipélago, os piores do país.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.