GNR enfrenta situações de grande violência com material obsoleto


 

Lusa / AO online   Nacional   5 de Nov de 2007, 16:36

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) considerou que "a GNR continua a enfrentar, com meios obsoletos, a criminalidade violenta cada vez mais sofisticada e com viaturas topo de gama".
No comunicado divulgado no Porto, a APG/GNR lamentou a ocorrência, hoje verificada em Famalicão, de madrugada, em que um militar da GNR foi gravemente ferido quando tentava impedir um assalto a uma pizaria em Fânzeres, tendo os assaltantes reagido a tiro.

"Só no último mês verificaram-se três situações semelhantes (Riba d'Ave, Felgueiras e Alfena), tendo esta [de hoje] sido aquela que assumiu contornos de maior gravidade", frisa o comunicado da APG/GNR.

A Delegação Norte da APG/GNR lamenta ainda que "tanto a tutela como o Comando da GNR não tomem medidas a este respeito", salientando que os militares da Guarda não dispõem de equipamento de protecção adequado para intervir em situações de alta violência como as descritas.

O militar da GNR que foi baleado segunda-feira de madrugada continua em estado muito grave e com prognóstico "reservado" após a operação a que foi submetido, no Hospital de S. João, no Porto.

"O paciente foi submetido a uma intervenção cirúrgica ao olho, que correu bem, mas continua em estado muito grave na Unidade de Cuidados Intensivos, já que o disparo lhe causou uma lesão cerebral grave", disse à Lusa a fonte do S. João.

O militar foi atingido, com um tiro de "shotgun", em várias zonas do rosto e da cabeça, quando a patrulha que integrava tentava impedir um assalto a uma pizaria em Fânzeres.

A patrulha surpreendeu, cerca das 3:00 (hora local), um grupo de quatro indivíduos armados e encapuzados que se preparavam para assaltar a loja de uma cadeia internacional de pizzarias, disse a mesma fonte.

Os quatro indivíduos receberam a patrulha, de três elementos, a tiro e puseram-se em fuga numa viatura topo de gama de cor escura, acrescentou a fonte.

Também durante a madrugada, a GNR registou um assalto numa ourivesaria em Paredes, de onde terão sido levados objectos em ouro de valor indeterminado.

"Quatro indivíduos encapuzados e empunhando armas de fogo partiram a montra de uma ourivesaria em Paredes, cerca de uma hora antes do assalto à pizzaria", disse a fonte da GNR, adiantando que, possivelmente, os dois assaltos estão relacionados.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.