Fundador do Facebook "orgulhoso do progresso realizado" em 2018 para melhorar rede

Fundador do Facebook "orgulhoso do progresso realizado" em 2018 para melhorar rede

 

Lusa/Ao online   Internacional   29 de Dez de 2018, 12:23

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse estar "orgulhoso do progresso realizado" em 2018 para melhorar a rede social, envolvida numa série de escândalos que minaram a confiança dos utilizadores e despertaram a atenção dos reguladores.

"Para 2018, o meu desafio pessoal era concentrar-me em alguns dos problemas mais prementes que a nossa comunidade enfrenta - evitar a interferência nas eleições, parar o discurso de ódio e a desinformação, garantir que as pessoas mantenham o controlo das suas informações e que nosso serviço melhore o seu bem-estar", escreveu Mark Zuckerberg, na sexta-feira, na sua página do Facebook.

O multimilionário afirma estar “orgulhoso do progresso realizado" em todas essas áreas, afirmando que a rede que criou e que hoje tem cerca de 2,3 mil milhões de utilizadores mudou "fundamentalmente" para responder a esses desafios.

"Somos uma empresa muito diferente do que éramos em 2016, ou mesmo há um ano. Nós basicamente mudámos o nosso ADN para impedir que os nossos diversos serviços causassem danos e reorganizamos sistematicamente partes importantes da nossa empresa para se concentrarem na prevenção ", adianta Mark Zuckerberg.

Segundo Zuckerberg, 30 mil pessoas dedicam-se agora ao desenvolvimento de "medidas de segurança" para as quais o Facebook investe milhões de dólares.

Foi em 2016, o ano das eleições presidenciais nos Estados Unidos, que as grandes polémicas que envolveram a empresa começaram.

Nessa ocasião, a rede social foi acusada de ter sido usada por ‘hackers’ russos para interferir na campanha eleitoral do então candidato republicano e atual Presidente Donald Trump, e desde então as controvérsias relativas ao Facebook têm acontecido em um ritmo frenético.

Este ano, por exemplo, foi revelado em março que a empresa de consultoria britânica Cambridge Analytica utilizou uma aplicação para compilar milhões de dados de utilizadores do Facebook sem o seu consentimento para fins políticos, e a rede social admitiu em outubro que piratas informáticos roubaram dados pessoais de 30 milhões de contas.

Estes dois casos foram os mais notórios, mas 2018 foi um ano em que a plataforma da Internet tem sido notícia por um ou outro escândalo quase todas as semanas, tendo sido um dos mais recentes a publicação pelo The New York Times de que a diretora de operações da empresa, Sheryl Sandberg, ordenou aos seus funcionários que investigassem os interesses financeiros do magnata George Soros.

“Está claro que resolver esses problemas é um desafio há mais de um ano, mas em todas as áreas que mencionei, estabelecemos vários anos de planos para reparar os nossos sistemas e estamos a seguir esse caminho", sublinha Zuckerberg.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.