Festival Angrajazz celebra 20 anos com Andy Sheppard, Secret Society e Jazzmeia Horn

Festival Angrajazz celebra 20 anos com Andy Sheppard, Secret Society e Jazzmeia Horn

 

Lusa/AO Online   Regional   3 de Out de 2018, 13:43

O festival Angrajazz, que decorre em Angra do Heroísmo, até sábado, comemora 20 anos com espetáculos do saxofonista britânico Andy Sheppard, da orquestra norte-americana Secret Society e da cantora Jazzmeia Horn, entre outros.

“Andy Sheppard é o melhor saxofonista europeu e é, sem dúvida nenhuma, o melhor saxofonista inglês de sempre; a orquestra do Darcy James é a segunda melhor orquestra do mundo e a Jazzmeia Horn é uma jovem cantora que está absolutamente 'na berra', neste momento, e foi eleita a melhor jovem cantora em ascensão do jazz. São nomes de facto sonantes que vamos ter aqui mais uma vez”, adiantou, em declarações à Lusa, José Ribeiro Pinto, da Associação Cultural Angrajazz, que organiza o festival.

Há 20 anos, quando aceitou o desafio para criar um festival de jazz em Angra do Heroísmo, José Ribeiro Pinto não fazia ideia de que ganharia esta dimensão.

“Nós nascemos com o entusiasmo de fazer mais um e mais outro, mas nunca naquela altura imaginámos que íamos chegar ao vigésimo. Nunca imaginámos que a Carla Bley viesse cá ou o Dave Holland ou o Herbie Hancock. Tínhamos imensos sonhos, mas não contávamos muito que eles se realizassem”, salientou.

Na altura, José Ribeiro Pinto já fazia há vários anos um programa sobre jazz na rádio pública açoriana, e o então secretário regional da Economia, Duarte Ponte, com quem trabalhava, sugeriu-lhe que criasse um festival deste género.

Em simultâneo, o então presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Sérgio Ávila, propunha o mesmo ao músico Bruno Walter Ferreira.

O primeiro impulso de José Ribeiro Pinto foi recusar o convite, que implicava “muito tempo e dinheiro”, mas, quando percebeu que município e governo estavam dispostos a unir-se para apoiar o festival, decidiu avançar.

Hoje, com quatro noites de espetáculos esgotadas e com uma ocupação superior a 90%, acredita que o festival está consolidado e que continua a crescer de ano para ano.

“O Angrajazz faz parte do calendário, e todos os músicos portugueses e amantes de jazz em Portugal sabem que existe o Angrajazz”, salientou, acrescentando que “a maior parte dos agentes internacionais” também já conhece o festival e envia “todos os dias propostas” para que os seus músicos atuem em Angra do Heroísmo.

Segundo José Ribeiro Pinto, mais de 20% do público do Angrajazz chega de fora da ilha e essa presença tem vindo a crescer, mas, ao longo das últimas duas décadas, notou-se também um aumento do gosto pelo jazz entre a população local.

“Já havia pessoas que tinham gosto pelo jazz e nós entretanto fomos aumentando esse número de pessoas. Foi importante termos formado uma orquestra, porque a orquestra traz mais pessoas”, apontou.

Entre hoje e sábado, passam pelo palco do Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo a Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal, a Orquestra Angrajazz e a orquestra norte-americana Darcy James Argue’s Secret Society.

Atuam ainda o pianista cubano Gonzalo Rubalcaba, o pianista norte-americano Billy Childs e a cantora norte-americana Jazzmeia Horn.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.