União Europeia

Eurodeputados divididos sobre montante das ajudas ao sector do leite

Eurodeputados divididos sobre montante das ajudas ao sector do leite

 

Lusa / AO online   Economia   20 de Out de 2009, 12:13

O Parlamento Europeu agendou para quinta-feira uma votação de urgência sobre as ajudas ao sector do leite, mas o hemiciclo está dividido quanto ao valor, havendo eurodeputados que defendem que deve ser o dobro do anunciado.
A proposta da comissária europeia de dar ao sector dos lacticínios 280 milhões de euros "será seguramente aprovada", disse à Lusa o eurodeputado socialista Capoulas Santos, que defende, no entanto, que o valor das ajudas deverá ser de "600 milhões de euros", conforme "o Parlamento Europeu aprovou na sessão plenária de Setembro".

Esse montante foi entretanto reduzido, em sede de comissão de Agricultura, para metade.

O ex-ministro da Agricultura sustentou que "há uma margem no orçamento de 11,5 mil milhões de euros" onde se pode ir buscar verbas para o sector do leite.

"Vão ser utilizados cerca de 400 milhões, incluindo o fundo de emergência, sobram 700", disse, acrescentando que o grupo S&D, a que pertence o PS, defende que "devia ser mobilizado o resto".

Luís Capoulas Santos disse ainda que o PE deve bater-se pela "manutenção do regime de quotas" de produção de leite, de modo a haver regulação do mercado.

Também Diogo Feio (CDS/PP) contestou o valor da verba, especificando que o montante de "5,4 milhões de euros" destinado a Portugal corresponde a uma verba de "três décimas de cêntimo por litro, quando os produtores precisam de cerca de 20 cêntimos por litro", disse.

"É uma medida de foguetório, só possível porque é o fim de mandato do ministro e da comissária", sublinhou.

O eurodeputado quer ainda saber se Bruxelas "está disponível para rever o valor da ajuda e repensar o fim das quotas".

Semelhante posição é também defendida pelo eurodeputado da CDU João Ferreira.

"Defendemos a regulação do mercado e a manutenção do sistema de quotas, de modo a que se mantenha a pequena e média produção", referiu.

Opinião diferente tem a eurodeputada do PSD Maria do Céu Patrão Neves que defendeu a redução de 600 para 300 milhões, aprovada em sede de comissão parlamentar, porque "a nível de orçamento, teríamos que deslocar verbas de outras rubricas", afirma.

"Os 300 milhões existem e podem ser dados imediatamente", conclui a eurodeputada.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.