Educação, trabalho, igualdade de género são essenciais para jovens lusófonos


 

AO Online/ Lusa   Nacional   22 de Jun de 2019, 21:37

 O presidente do Fórum Juventude da CPLP destacou este sábado a garantia de educação e trabalho de qualidade, a igualdade de género e a mobilidade como temas centrais para a melhoria de vida dos jovens da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Marcus Barão Rocha falava à agência Lusa à margem dos trabalhos da Lisboa+21, Conferência de Ministros responsáveis pela juventude 2019 e Fórum da Juventude, a decorrer em Lisboa.

Esta conferência acontece 21 anos depois de Portugal ter organizado a I Conferência Mundial de Ministros da Juventude que levou à assinatura da chamada “declaração de Lisboa” que agora deverá ser atualizada.

Para Marcus Barão Rocha, a educação de qualidade, o trabalho com direitos assegurados, a igualdade de género e a mobilidade são questões fulcrais para os países da CPLP, todos eles com uma população essencialmente jovens.

O jovem considera que “mais do que nunca é necessário” garantir estes quatro pontos para que os jovens possam inserir-se num mundo que está em plena transformação.

Cerca de 100 delegações de responsáveis pela área da juventude de todo o mundo debatem até domingo o papel da juventude na concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Em debate estarão temas emergentes da juventude, entre os quais o desenvolvimento sustentável e a crise climática e Portugal apresentou como condição que todas as comitivas fossem compostas por, pelo menos, um jovem.

A União Europeia, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o espaço ibero-americano estão presentes neste encontro em Lisboa, à semelhança de vários outros Estados – do Cazaquistão à República Dominicana, dos Estados Unidos ao Sudão do Sul, do Butão a Santa Lúcia.

Em 1998, o Governo Português, em cooperação com os parceiros do Sistema das Nações Unidas, organizou a Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, que se tornou um marco no trabalho em torno das políticas de Juventude.

Na Declaração final, ministros e demais líderes mundiais presentes, comprometeram-se a trabalhar com a Juventude num conjunto de políticas e programas que fossem ao encontro das preocupações dos jovens e melhorassem as suas vidas.

Agora, os Estados são chamados a intensificar os seus compromissos para integrar a perspetiva da Juventude na implementação da Agenda 2030 e da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e do Fórum da Juventude “Lisboa+21” resultará uma Declaração renovada sobre Políticas e Programas de Juventude (Lisboa+21), no quadro da Agenda 2030.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.