Saúde

Descoberto agente que faz brilhar células cancerígenas difíceis de detectar

Descoberto agente que faz brilhar células cancerígenas difíceis de detectar

 

Lusa/AO online   Internacional   24 de Nov de 2011, 09:35

Uma equipa encabeçada por dois cientistas japoneses desenvolveu um reagente que faz brilhar as células cancerígenas, facilitando assim a detecção de tumores de menor dimensão, informou a agência nipónica Kyodo.
Ao ser pulverizado sobre uma determinada zona, o agente, ainda em fase experimental, pode realçar um carcinoma com um tamanho inferior a um milímetro ao conferir às células cancerígenas um brilho de cor verde, segundo detalharam os cientistas no último número da revista científica "Sciente Translational Medicine".

A ressonância magnética e outros métodos existentes são incapazes de detectar tecidos tumorais tão pequenos, pelo que a equipa entende que este avanço pode ajudar no futuro a detectar, com maior precisão e menos custos, a extensão de um cancro.

"A capacidade do olho humano de detectar, sem assistência, pequenos focos de cancro ou os limites precisos do mesmo no tecido normal durante a cirurgia ou a endoscopia é limitada", explicam no artigo os investigadores.

Yasuteru Urano, professor de biologia química da Universidade de Tóquio e Hisataka Kobayashi, cientista chefe dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, são os dois investigadores que lideram a equipa que espera que o reagente possa ser utilizado dentro de poucos anos.

O agente desenvolvido emite um brilho verde numa questão de minutos, graças a uma reação química, quando entra em contacto com uma enzima chamada GGT, que só está presente na superfície das células cancerígenas.

Durante a sua investigação, o grupo conseguiu que o tecido afectado brilhasse 20 vezes mais que o restante poucos minutos depois de ter pulverizado o reagente sobre o abdómen de um dos ratos a que foram implantadas células humanas afectadas por cancro do ovário.

A equipa ainda deve certificar-se de que a molécula fluorescente não é tóxica para o resto das células, ainda que, até aos momentos, tenha garantido que não se detectaram efeitos nocivos inclusivamente face ao uso de grandes quantidades da substância reagente.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.