Investimento

Consumidores pagam 11 milhões a mais de comissões nos seguros de capitalização


 

Lusa / AO online   Economia   11 de Nov de 2009, 14:49

Os consumidores pagaram no ano passado 11 milhões de euros a mais em comissões de subscrição e entrega de seguros de capitalização, comparando com os fundos mistos defensivos, denunciou esta quarta-feira a DECO/Pro Teste.
A analise realizada pela organização, que comparou 23 seguros com capital garantido e rendimento variável, aponta que os custos destes seguros "são um ponto fraco", comparando com outras alternativas de poupança, e que em média cobram 1,3 por cento por cada entrega, comissão que pode chegar aos 3,09 por cento.

A DECO afirma ainda que esta comissão é 22 vezes superior à cobrada nos fundos mistos defensivos (0,06 por cento).

Para a organização, os seguros são uma "mina" para seguradores e bancos, que amealham em média 0,9 por cento pela comissão de gestão, quando a de resgate pode atingir os cinco por cento no primeiro ano.

A DECO considera também que existe "falta de transparência" na aplicação das comissões, que falta informação que permita acompanhar a sua rendibilidade e que têm ainda "falta de segurança" porque, "em caso de falência da seguradora, o mecanismo protector do investidor é inferior ao de outras aplicações".

A entidade garantiu também que já enviou as reivindicações ao Instituto de Seguros de Portugal e ao Ministério das Finanças.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.