Saúde

Células estaminais podem ajudar a tratar doenças do sistema nervoso central

Células estaminais podem ajudar a tratar doenças do sistema nervoso central

 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Set de 2011, 10:36

Tratar doenças com células manipuladas do próprio corpo é um caminho que o investigador Mário Grãos procura a partir das células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical.
No Biocant Park de Cantanhede, e em parceria com a empresa Crioestaminal, pioneira em Portugal na criopreservação de células estaminais, aquele investigador estuda as células estaminais mais centrado na sua potencial aplicação com doenças do sistema nervoso central causadas pela perda de mielina, uma substância que ajuda os nervos a receber e interpretar as mensagens do cérebro.

“Potenciais aplicações são as doenças desmielinizantes do sistema nervoso central, como por exemplo a esclerose múltipla, e outras desse tipo. Estamos a fazer ensaios laboratoriais com alguns resultados interessantes que permitem ter essa vontade de continuar. Estas células têm um potencial bastante alargado para esse tipo de doenças e para outras”, confessou à agência Lusa.

Há dois anos a coordenar a investigação, mais centrada na esclerose múltipla, espera dedicar os próximos um ou dois anos a ensaios in vitro e depois passar para modelos animais, e testar a função destas células para corrigir defeitos de desmielinização do sistema nervoso central.

“Estas células em concreto têm várias vantagens porque são células que podem ser criopreservadas e podem obter-se de vários locais do organismo. Há sempre um potencial de utilização autóloga, ou seja de um paciente poder vir a utilizar as células do próprio organismo para regenerar o próprio organismo”, sublinha.

Numa fase – acentua – essas células poderiam ser retiradas do organismo, ou resgatadas de um banco de células, se provém da conservação do cordão umbilical, e depois “em laboratório fazer-lhe alguma manipulação para ajudar a diferenciarem-se no tipo celular que é pretendido” para a doença que especificamente se pretende tratar.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.