CDS critica orçamento dos Açores para 2014 mas está "aberto ao diálogo"

CDS critica orçamento dos Açores para 2014 mas está "aberto ao diálogo"

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Nov de 2013, 13:45

O líder do CDS-PP nos Açores, Artur Lima, considerou hoje que o Plano e Orçamento da região para 2014 proposto pelo Governo Regional "não é maravilhoso", mas disse estar "aberto ao diálogo".

"Vamos, como fizemos no passado, apresentar propostas para melhorar os documentos, mas não estamos dispostos a passar cheques em branco à governação socialista, até porque a governação socialista persiste nos Açores há 17 anos e, portanto, não se pode limitar a dizer que tudo é culpa da austeridade nacional", frisou, numa conferência de imprensa em Angra do Heroísmo.

Artur Lima não revelou, no entanto, a intenção de voto do partido sobre as propostas de Plano e Orçamento da região para 2014 do Governo Regional, que serão discutidas na última semana de novembro na Assembleia Legislativa dos Açores.

"O nosso voto nunca é anunciado de véspera", salientou, admitindo, no entanto, considerar a hipótese de votar favoravelmente se o PS, que tem maioria absoluta no parlamento açoriano, aceitar "todas as propostas" de alteração do CDS.

Artur Lima disse estar disposto a "dialogar e a encontrar consensos", mas não poupou críticas aos documentos orçamentais para 2014 propostos pelo Governo Regional, salientando que a crise se instalou nos Açores e "está para durar".

"Isto não é um Plano e Orçamento maravilhoso. Atenção que não se pode, pelo facto de se compensar os funcionários públicos, dizer que isto é o melhor Plano e Orçamento de sempre, porque não é. Falha na educação, na saúde, na agricultura, nas questões sociais", frisou.

Nesse sentido, o CDS apresenta propostas de alteração que, segundo Artur Lima, visam apoiar "famílias e instituições que mais necessidades denotam" e "corrigir" algumas opções de governação "distorcidas da realidade".

Entre as propostas que serão apresentadas pelo partido está a criação de um espaço museológico de cabos submarinos na Horta, a adoção de um programa de apoio às filarmónicas e a criação de uma ajuda ao pagamento de propinas dos alunos da Universidade dos Açores que tenham os pais desempregados.

O CDS vai propor ainda verbas para combater as listas de espera, através do Vale Saúde, que Artur Lima acusa o Governo Regional de não utilizar, bem como uma verba para o reforço da vacina Prevenar, a vacina contra o pneumococo (Streptococcus pneumoniae), bactéria responsável por infeções que surgem com frequência em idade pediátrica.

 

O líder do CDS/Açores disse ter esperança de que algumas das alterações sejam aprovadas e revelou existir "abertura para negociar" por parte do PS, mas lamentou que o executivo açoriano ainda não tenha posto em prática propostas aprovadas em anos anteriores, como o estudo sobre a aquisição de um avião cargueiro para os Açores ou o estudo sobre a recuperação do barco Espalamaca.

"Partimos com alguma desilusão e até com alguma mágoa, porque eu acho que as pessoas quando assumem um compromisso devem cumpri-lo", frisou, alegando que "fica mal ao Governo não cumprir o que foi aprovado por unanimidade no Parlamento".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.