Economia

Câmara do Comércio critica Governo Regional

Câmara do Comércio critica Governo Regional

 

Pedro Nunes Lagarto   Regional   17 de Nov de 2009, 17:10

A Câmara do Comércio alega que as empresas açorianas não reúnem condições para fazer face ao complemento de 5% do salário mínimo nacional (300 euros /ano por trabalhador), porque configura uma degradação de competitividade do tecido empresarial local face à concorrência externa.
“Este valor é fixado pelo Governo Regional anualmente e trata-se de um acréscimo salarial unilateral que acarreta custos de produção mais elevados, o que contribuiu para fragilizar um tecido empresarial que já em si é bastante frágil”, refere o presidente da Câmara do Comércio.

No entanto, Mário Fortuna adverte que se for necessário reforçar o rendimento das famílias, que o seja, mas pela via social, o que cabe ao Governo Regional: “Não é com o acréscimo de 5% que se resolve o problema do salário mínimo. Se for necessário reforçar o rendimento familiar a política social é a via mais adequada para o fazer. Ora, não é viável numa economia aberta impor custos adicionais às empresas que tem de interv ir no mercado. Afinal, se não forem competitivas, acabam também por sofrer os trabalhadores, porque os empregos deixam de ser sustentáveis”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.