Açoriano Oriental
Açores/Eleições
BE acusa Governo Regional de reduzir professores para “poupar uns trocos”

O coordenador do BE/Açores, António Lima, criticou o Governo Regional por faltarem “cada vez mais” professores na região, salientando que o executivo açoriano mantém os professores na “precariedade” para “poupar uns trocos”.

BE acusa Governo Regional de reduzir professores para “poupar uns trocos”

Autor: Lusa/AO Online

“Aquilo que se percebe este ano, mais uma vez e de forma mais intensa, é que cada vez mais faltam professores nos Açores. Neste momento há muitos horários por preencher, há dezenas de horários que estão a ser abertos a concursos fora do concurso de professores normal”, declarou António Lima.

O coordenador bloquista na região, cabeça de lista do partido pelos círculos eleitorais de São Miguel e compensação às próximas eleições regionais, falava esta manhã após uma reunião com o Sindicato Democrático dos Professores, em Ponta Delgada.

António Lima frisou que a redução do número de professores na região é “extremamente grave”, criticando a “recusa sistemática do Governo do PS em integrar professores contratados nos quadros”.

“O Governo Regional não lhes reconhece o valor [aos professores] e insiste para poupar uns trocos, porque é disso de que se trata, em mantê-los na precariedade”, afirmou.

O bloquista frisou que a região está “a regredir quase 30 anos” ao nível da educação, quando não existiam “professores suficientes com habilitação” para dar aulas, referindo que são “cerca de 20%" os professores contratados no arquipélago anualmente.

O BE, disse, defende a integração dos professores no quadro após três anos de contrato e a aplicação dos “incentivos previstos” na legislação para a fixação de professores.

António Lima também sugeriu a criação de um “plano de formação de professores nos Açores”, em cooperação com a Universidade dos Açores.

O também deputado do BE na Assembleia Regional referiu que os Açores não podem “continuar a navegar à vista” na área da educação, tal como o “PS tem feito ao longo de 24 anos” de governação.

“Uma região que tem quase o triplo do abandono escolar precoce relativamente à média nacional não se pode dar ao luxo de não ter na educação uma prioridade absoluta”, assinalou.

Este ano foram colocados 435 professores nos Açores, enquanto no ano letivo passado foram colocados 490.

Segundo dados da Pordata, referentes a 2019, os Açores têm a taxa de abandono escolar precoce mais elevada do país (27%), quando a média nacional se situa nos 10,6%.

As próximas eleições para o parlamento açoriano decorrem em 25 de outubro.

Nas anteriores legislativas açorianas, em 2016, o PS venceu com 46,4% dos votos, o que se traduziu em 30 mandatos no parlamento regional, contra 30,89% do segundo partido mais votado, o PSD, com 19 mandatos, e 7,1% do CDS-PP (quatro mandatos).

O BE, com 3,6%, obteve dois mandatos, a coligação PCP/PEV, com 2,6%, um, e o PPM, com 0,93% dos votos expressos, também um.

Nas eleições regionais açorianas existem nove círculos eleitorais, um por cada ilha, mais um círculo regional de compensação que reúne os votos que não foram aproveitados para a eleição de parlamentares nos círculos de ilha.

O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.