Terrorismo

Ataques em Bombaim provocam pelo menos 100 mortos

Ataques em Bombaim provocam pelo menos 100 mortos

 

Lusa/AOonline   Internacional   27 de Nov de 2008, 10:26

Os ataques terroristas de quarta-feira à noite em Bombaim, India, provocaram pelo menos 100 mortos e centenas de feridos, existindo ainda reféns no interior de um dos hotéis atacados, o Oberoi, de acordo com informação divulgada pela polícia indiana.
Entre as vítimas mortais estão, segundo a agência Press Trust of India, pelos menos quatro cidadãos estrangeiros, incluindo um japonês, um italiano e um australiano, e entre os feridos há também cidadãos da Austrália, Estados Unidos, Espanha, Noruega, Canadá e Singapura.

    Fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas indicou à agência Lusa que cinco portugueses encontravam-se entre os cerca de 200 turistas estrangeiros que conseguiram escapar do hotel Taj Mahal na altura do ataque terrorista estando a salvo e a tratar de obter novos documentos para poderem regressar a Portugal.

    De acordo com informação divulgada hoje pela polícia indiana, as forças de segurança estão já a tomar o controlo do hotel Taj Mahal, um dos mais luxuosos do mundo, onde não há reféns mas onde foram encontrados hóspedes refugiados nos quartos e vários cadáveres.

    No hotel Oberoi a situação é, ainda segundo informação da polícia indiana, mais confusa, com alguns dos atacantes ainda no interior, juntamente com hóspedes que não são reféns, estando em contacto telefónico com o exterior, e outros que se encontram em poder dos terroristas.

    Relatos de pessoas que conseguiram escapar aos ataques divulgados pela imprensa indiana indicam que os assaltantes procuravam essencialmente cidadãos britânicos e norte-americanos para tomarem como reféns.

    Os ataques, em pequenos grupos com armas automáticas e granadas, foram reivindicados por um grupo islamita que se apresenta como os Mujaedines do Deccan e para além dos dois hotéis de luxo tiveram também como alvo um restaurante e um terminal de transportes públicos.

    Um dos homens armados que se encontra no interior do hotel Oberoi disse que os ataques terroristas foram uma forma de chamar a atenção para a discriminação a que são sujeitos os muçulmanos na India, especialmente por parte das forças de segurança.

    “Os muçulmanos na Índia não deveriam ser perseguidos. Gostamos deste país, mas quando as nossas mães e irmãs foram mortas, quem nos protegeu?”, declarou o agressor à cadeia India TV a partir do hotel, que se encontra cercado pelas forças de segurança.

    Entretanto, as ruas do bairro dos negócios de Bombaim, a capital económica da Índia, encontram-se desertas e a maioria dos escritórios encerrados, tal como a bolsa que permanecerá também encerrada esta quinta-feira.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.