Publicidade

APAN estima quebra de 9% no investimento dos anunciantes em 2011


 

Lusa/AO online   Nacional   25 de Out de 2011, 12:24

A Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN) estima que, em 2011, o investimento publicitário atinja os 630 milhões de euros, uma quebra de nove por cento face ao ano passado e cuja tendência que deverá manter-se em 2012.
Em declarações à Lusa, Eduardo Branco, presidente da APAN, adiantou ainda que 2012 deverá ser "um ano idêntico ao de 2011", admitindo uma quebra que pode ir, no limite, até aos cinco por cento.

"Acho que [o mercado da publicidade] já caiu muito. Arriscaria [um valor] entre zero e cinco por cento de contracção para 2012, não mais do que isso", afirmou, salvaguardando que tal queda será "muito por força do valor e não por força do volume" da publicidade.

Eduardo Branco reconhece que "terá de haver um ajustamento dos preços" da publicidade mas entende que isso é uma "consequência" expectável da crise: "Numa economia em crise, dificilmente os preços da publicidade não contraem porque, se as receitas das empresas que anunciam contraem, como é que as empresas de meios também não contraem?", interroga.

No entanto, para o presidente da APAN, "a crise económica não tem como consequência menores necessidades de publicidade, porventura até ao contrário", uma vez que "as marcas têm de se promover mais junto dos seus clientes para estimular o consumo".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.