Angra do Heroísmo com Sara Miguel e Tomás Marques no Dia Internacional do Jazz

Angra do Heroísmo com Sara Miguel e Tomás Marques no Dia Internacional do Jazz

 

Lusa/AO Online   Cultura e Social   28 de Mar de 2019, 15:25

A cidade de Angra do Heroísmo, junta-se às celebrações do Dia Internacional do Jazz pelo terceiro ano consecutivo, com concertos de Sara Miguel e Tomás Marques, no dia 30 de abril.

“Nós, associação cultural AngraJazz, que promovemos o festival internacional de jazz de Angra do Heroísmo há 20 anos, não podíamos de forma nenhuma ficar fora do Dia Internacional do Jazz”, adiantou o presidente da associação, José Ribeiro Pinto.

As comemorações, que terão lugar no Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, no dia 30 de abril, dão destaque ao jazz português, com dois espetáculos musicais.

Primeiro sobe ao palco a cantora portuense Sara Miguel, que reside há vários anos na ilha Terceira, e depois o saxofonista Tomás Marques, natural de Estarreja.

Acompanhada por Gonçalo Moreira, no piano, Michael Ross, no contrabaixo, e Edmundo Diaz, no audiovisual, e com Roberto Rosa (trompete) e Rui Melo (saxofone) como convidados, a cantora natural do Porto criou um espetáculo específico para comemorar o Dia Internacional do Jazz.

“A Sara Miguel decidiu homenagear a Nina Simone, que foi uma grande cantora e que foi extremamente comprometida com as lutas dos direitos humanos”, salientou José Ribeiro Pinto.

A noite encerra com o quinteto do jovem saxofonista Tomás Marques, que sobe ao palco com João Barradas, no acordeão, Augusto Baschera, na guitarra, Rodrigo Correia, no contrabaixo, e Diogo Alexandre, na bateria.

“O Tomás Marques foi eleito revelação do ano do jazz em Portugal. É um saxofonista que tem 19 anos. É um dos grandes miúdos do jazz português, absolutamente fantástico, que está a entusiasmar toda a crítica”, frisou o presidente da associação cultural AngraJazz, acrescentando que o quinteto é jovem, mas conta já com “enorme reconhecimento nacional e internacional”.

Com um orçamento de 7.000 euros, o evento ainda atrai menos participantes do que o festival AngraJazz, que decorre em outubro e tem um cartaz com nomes internacionais, mas a organização acredita que a adesão poderá aumentar com o passar dos anos.

“O nosso objetivo é chamar à atenção das pessoas para a importância do dia e trazê-las cada vez em maior número”, apontou José Ribeiro Pinto.

Para o vereador da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo com a pasta da cultura, Guido Teles, a comemoração do Dia Internacional do Jazz na cidade era “incontornável”, tendo em conta a realização do festival AngraJazz há mais 20 anos e o surgimento de outras iniciativas ligadas ao estilo musical como programas de rádio e o festival +Jazz, destinado a um público mais jovem.

“É sem dúvida nenhuma a cidade açoriana que mais intimamente está ligada ao género musical do jazz”, frisou.

Em novembro de 2011, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla em inglês) designou oficialmente o dia 30 de abril como Dia Internacional do Jazz, com o objetivo de chamar à atenção para o papel do jazz como embaixador da tolerância, compreensão e partilha entre pessoas de todo o mundo.

Este ano, as comemorações vão decorrer em cerca de 190 países, estando já previstos eventos em quatro localidades portuguesas: Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, Madalena, na ilha do Pico, Águeda, em Aveiro, e Vila Nova de Famalicão, em Braga.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.