Açoriano Oriental
Açores são a região com menor rácio de empresas inovadoras

De acordo com o Inquérito Comunitário à Inovação 2016-2018, divulgado pelo INE, menos de um quarto do total das empresas dos Açores desenvolveu atividades de inovação, ou seja, introduziu inovação de produto e de processo

Açores são a região com menor rácio de empresas inovadoras

Autor: Ana Carvalho Melo

Menos de um quarto do total das empresas dos Açores desenvolveu atividades de inovação, entre 2016-2018, rácio que coloca o arquipélago entre as regiões do país com mais baixa percentagem de empresas inovadoras, de acordo com o Inquérito Comunitário à Inovação 2016-2018 publicado pelo INE.

“O Centro, a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma da Madeira, apresentaram percentagens muito semelhantes de empresas inovadoras, que variaram entre 33,5% e 34,7%”, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE), acrescentando que já “no Algarve e na Região Autónoma dos Açores, as percentagens de empresas inovadoras foram mais baixas, 28,5% e 24,3%, respetivamente”.

Refira-se que no total do país, 32,4% das empresas tiveram atividades de inovação, entre 2016 e 2018, ou seja, introduziram inovação de produto e de processo.

Segundo Inquérito Comunitário à Inovação, nos Açores, neste período, 24,3% das empresas tiveram atividades de inovação, 15,1% introduziram inovação de produto (bens ou serviços), 21,5% introduziram inovação de processo e 23,8% introduziram inovação de produto e/ou processo.

Mostra ainda que 1,4% das empresas tiveram atividades de investigação e desenvolvimento (I&D) intramuros e 1,4% das empresas contrataram serviços de I&D a outras empresas ou organizações de investigação públicas ou privadas (I&D extramuros).

Inovação de produto
O Inquérito Comunitário à Inovação revela que no período em análise nos Açores 13,5% das empresas introduziram no mercado bens novos ou melhorados e 13,7% das empresas introduziram serviços novos ou melhorados.

Estes dados comparam no total do país com 18,6% das empresas que introduziram no mercado bens novos ou melhorados e 17,7% das empresas que introduziram serviços novos ou melhorados.

“No Norte, Centro e Alentejo, a percentagem de empresas que introduziram bens novos ou melhorados foi superior à percentagem de empresas que introduziram serviços novos ou melhorados. Nas restantes regiões verificou-se o inverso. Refira-se, no entanto, que em ambas as situações as diferenças percentuais entre a introdução de bens ou de serviços, novos ou melhorados, foram pouco significativas”, descreve o documento do INE.

No entanto é realçado que as regiões cujas empresas apresentaram percentagens mais elevadas de volume de negócios que resultou da introdução de produtos novos ou melhorados foram a Região Autónoma dos Açores (15,5%), a Área Metropolitana de Lisboa (12,4%) e o Norte (11,1%).

“Em todas as regiões, a percentagem de volume de negócios que resultou da introdução de produtos novos para a empresa foi maior que a percentagem de volume de negócios que resultou da introdução de produtos novos para o mercado, sendo esta diferença mais acentuada na Região Autónoma dos Açores e menos acentuada na Área Metropolitana de Lisboa”, é realçado.

Inovação de processo
No período 2016 a 2018, 15% das empresas açorianas introduziram métodos de organização do trabalho, de tomada de decisão ou de gestão de recursos humanos; 14,4% das empresas introduziram métodos para processamento ou comunicação de informação e 13,4% introduziram métodos para produzir bens ou fornecer serviços.

Já no total do país, o INE revela que 20,4% das empresas introduziram métodos de organização do trabalho, de tomada de decisão ou de gestão de recursos humanos; 17,8% das empresas introduziram métodos para processamento ou comunicação de informação e 17,5% introduziram métodos para produzir bens ou fornecer serviços.

“Em todas as regiões, verifica-se que, em termos percentuais, houve mais empresas que introduziram métodos de organização do trabalho, de tomada de decisão ou de gestão de recursos humanos, exceto na Região Autónoma da Madeira, que teve mais empresas a introduzir métodos para produzir bens ou serviços”, é revelado.

Empresas açorianas gastaram 4,2 milhões em atividades de inovação
Em 2018, a despesa total com atividades de inovação nas empresas açorianas foi de 4,2 milhões de euros dos quais 32,8% corresponderam a despesas com I&D intramuros (1,4 M€); 65,3% a outras despesas de inovação (2,8 M€) e 1,9% a despesas com a atividades de I&D extramuros (100 mil euros), revela o INE.

No total nacional, a despesa total com atividades de inovação foi 2.599 milhões: 46,2% corresponderam a despesas com I&D intramuros (1200 M€); 43,9% a outras despesas de inovação (1141 M€) e 9,9% a despesas com a atividades de I&D extramuros (257 M€). O INE realça que na análise por região, se verificou que as empresas da Área Metropolitana de Lisboa foram as que mais investiram em atividades de inovação (1008,6 M€), seguindo-se as empresas do Norte (874,7 M€).


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.