Açoriano Oriental
Açores/Eleições
“A abstenção mostra o quanto está desconectada a política atual com os cidadãos”

Carlos Furtado, presidente do Chega nos Açores reconhece que foi militante do PSD ‘por engano’ e afirma acreditar que o partido possa eleger deputados nas próximas eleições regionais. Admite que o Chega possa entrar em coligações, mas afasta entendimentos com o PS. Defende que a SATA não deve fechar e diz que a educação tem de premiar a excelência

premium
“A abstenção mostra o quanto está desconectada a política atual com os cidadãos”

Autor: Paulo Simões / Rui Jorge Cabral
Carlos Furtado, antigo dirigente do PSD, partido pelo qual foi candidato à Câmara Municipal da Lagoa, é atualmente o presidente do Chega nos Açores, tendo sido eleito por unanimidade na primeira Convenção Regional do partido.Porque decidiu trocar o PSD pelo Chega?Com o aparecimento do Cheg...
 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.