Açoriano Oriental
Tempo de Aprender
Sentir, pensar, crescer e inspirar em casa!
Urge gerir o tempo. A comunidade educativa está resguardada em casa para combater a propagação do Covid-19. Mas não há razão para baixar as mãos, o ecrã do computador poderá ser um meio para nos mantermos ligados, colaborarmos e aprendermos.
article.title

Foto: João Freitas
Autor: João Freitas

 

Link para artigo com imagens

Plataformas de recursos digitais abertas como a REDA e a Khan Academy poderão vir a ter um papel fundamental nesta altura. A LeYa educaçãoEscola Mágica e Escola Virtual abriram as suas plataformas às escolas. Muitas mais existem, como ilustra o mapa de recursos educativos digitais abertos, gentilmente partilhado no Facebook por um colega professor. Há que notar a diversidade de sítios de aprendizagem interativa focados na programação, aprendizagem do Inglês, entre outros tópicos. Podem ser visionados infindáveis vídeos educativos no Youtube e a RTP Ensina possui uma grande seleção de vídeos e atividades. Para divulgação e acompanhamento de atividades, pode utilizar-se o Google Classroom, existindo vários sítios e blogs de docentes que oferecem atividades. O e-mail, os programas de comunicação, as plataformas e as redes sociais facilitam o encontro de professores e alunos. As páginas das escolas podem conter informação valiosa e contactos que facilitem o processo de ensino e aprendizagem à distância.

Diversos videojogos podem ser uma forma de aprender, além de servirem para descontrair. Na sua componente educativa, podem facilitar o entendimento de situações complexas, que de outra forma iriam requerer explicações longas. Outros podem contribuir para a minimização do isolamento e facilitar a interação e comunicação para além das paredes da casa. Os exemplos referidos a seguir são apenas algumas opções entre muitas, mas os princípios apontados podem ser mobilizados para escolhas mais ao gosto de cada um. O primeiro exemplo aborda um tema relevante na atualidade, os outras contêm lições valiosas ao nível do pensamento estratégico, interação social, cooperação e comunicação. Os jogos abordados neste texto existem em versão digital, pelo que não é necessário abandonar a segurança da casa para os adquirir.

No jogo 911 operator, que possui versão em português, o jogador encarna o papel de um operador do “112” que encaminha recursos para várias situações de emergência, onde a gestão dos meios disponíveis (que são limitados) é fundamental para uma resposta adequada. Este jogo consciencializa o jogador para a importância da gestão de tempo e recursos em situações de emergência, entendimento que poderá ser útil no contexto atual, além de revelar a importância das forças policiais, bombeiros, proteção civil, serviços de saúde e todos os outros que, frequentemente incógnitos, nos ajudam de diversas formas. Este tipo de simuladores realistas estão normalmente direcionados para um público acima dos 13-15 anos de idade, todavia cabe aos pais a decisão final na escolha dos jogos. Outros jogos existem que podem facilitar o entendimento da  pandemia, havendo referência a vários exemplos no sítio do Wilson Center, o conteúdo está em inglês, mas a consulta dos títulos é fácil. Todo o conhecimento que se possa ter sobre transmissão é fundamental para a evitar.

Os jogos podem ser uma forma de divertimento familiar, em particular os que permitem cooperação local (no sofá). O Overcooked põe os jogadores a colaborar numa cozinha invulgar. Aceita quatro jogadores em simultâneo e é um excelente jogo para toda a família relaxar em conjunto. Não é possível ganhar sozinho, pelo que todos terão de colaborar para conseguirem vencer. Como na vida real, a família tem de se organizar para responder aos desafios da vida do dia a dia. O Overcooked pode ser jogado por qualquer faixa etária. A sequela, o Overcooked 2,  também pode ser jogado através da internet. Os jogos multijogador online permitem o encontro com o colega de turma ou o amigo que mora na rua. A comunicação com voz humaniza o contacto online, tornando-o mais aprazível.

Muitos jogos requerem que se faça uma gestão inteligente dos recursos existentes. No Stardew Valley os jogadores, num número máximo de quatro (online), devem colaborar no dia a dia de uma quinta, na qual semeiam, plantam e tratam de animais; tendo de avaliar o recursos disponíveis, as estações do ano e as particularidades do terreno. O jogo permite ainda interação com uma comunidade de personagens controladas pelo computador que vivem num pequeno vilarejo, junto à quinta. O relacionamento comunitário é um aspeto tão importante como a gestão de recursos e divisão de tarefas, da mesma forma que a relação com a comunidade é fundamental nos dias que correm. É necessário agir de forma diferente, garantindo a proteção de todos, e gerir os recursos de uma forma inteligente, para que não falte nada a ninguém. O Stardew Valley pode ser jogado por um público relativamente jovem, sendo recomendado para sete anos ou mais.

O Minecraft é um jogo que possui várias formas de jogar, possuindo nativamente um modo criativo, no qual os jogadores colaboram em construções, e um modo de sobrevivência, em que os jogadores têm de se defender em conjunto de “inimigos cúbicos”. Pode ser jogado individualmente, mas possui um grande foco na componente de multijogador online, promovendo o trabalho de equipa e a comunicação. O jogo pode criar oportunidades de conviver com os colegas de escola e outros amigos, desenvolvendo capacidade de organização de grandes grupos. A jogabilidade é muito aberta, havendo espaço para a criatividade e ainda possibilita várias modificações feitas por jogadores, que podem alterar completamente o modo de jogar. A comunidade educativa também necessitará de ser diferente e criar novas formas de colaboração e comunicação.

Os jogos referidos são pagos, mas há uma grande variedade de jogos gratuitos, que seria impossível referir aqui, pode-se acompanhar as últimas novidades neste Reddit ou pesquisar online. Muitos desses jogos situam-se nas plataformas referidas neste artigo, outros encontram-se associados às redes sociais, como o Facebook, e em inúmeros sítios na internet. Todavia, será importante a supervisão dos pais nas escolhas dos jovens e na gestão do tempo dedicado a esta atividade.

Para quem tem acesso a dispositivos de deteção de movimento pode ainda recorrer a jogos que estão associados a diversos tipos de atividade física, que além de promoverem o exercício físico, são também uma forma de passar tempo de qualidade em casa.

Finalmente, as atividades e rotinas diárias não devem ser apenas no ecrã do computador. Muitas são as alternativas que nada têm a ver com tecnologia, não sendo a intenção deste texto minimizar todo o outro tipo de atividades, mas sim dar orientações para que se rentabilize de forma positiva os meio tecnológicos disponíveis. Acima de tudo, os jovens devem ter uma rotina diária que deve envolver atividades lúdicas, mas também atividades educativas e tarefas diversas. As atividades disponibilizadas pelos professores, sempre que possível e de forma razoável, devem estar incluídas na rotina diária, pelo que o estabelecimento do contacto aluno-professor é fundamental. Como nos jogos, devemos seguir as regras e colaborar. Aproveitar todas as oportunidades para facilitar o trabalho àqueles que nos protegem e zelam pela nossa segurança, mas também para aprender, pois será o conhecimento que nos irá permitir ultrapassar estas semanas difíceis que o nosso país atravessa.

João Freitas

Professor

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.